A esperança da vida normal

   

O primeiro ministro Abe veio à público e avisou que o estado de emergência será prorrogado até o dia 31 de maio. Isso quer dizer que seguiremos com várias restrições até o final do mês, mas com uma luz ao final do período.

A quantidade de infectados está em declínio, o número de mortes segue dentro do previsto e alguns estados estão discutindo a abertura gradativa do comércio e de outras atividades.

Até o momento são 16.065 infectados e 579 óbitos, um número assustador se compararmos com os dados de dois meses atrás, mas controlado nos momentos atuais.

Atualmente existem dezoitos estados sem nenhuma morte, seis com "apenas” uma pessoa e quatro estados com 4 pessoas mortas.

A cidade com maior número de contaminados e mortos é Tóquio com 4.712 contaminados e 150 mortes, seguido de Osaka com 1.686 contaminados e 56 mortos. Não por coincidência, as duas maiores cidades do Japão.

Kyoto, onde moro, teve 338 contaminados e 13 mortes, um número considerado absurdo pela autoridades sanitárias.

Kyoto é considerado a capital dos estudantes, concentrando um número considerável de escolas e universidades, onde uma em cada dez pessoas é estudante. Levando isso em conta, impressiona que não houve nenhuma morte entre jovens no país inteiro. Nenhuma criança até o nível colegial foi contaminada em todo o país, o que mostra muita disciplina por parte da maioria dos estudantes, e a participação dos pais.

Em virtude de muitos estados terem poucos contaminados e mortes, o ministro Abe e sua equipe farão uma reavaliação da situação para essas cidades no dia 15, para ver se as restrições fiquem mais brandas e a vida siga um pouco mais dentro da normalidade.

Até o final do mês, o governo quer diminuir a circulação de pessoas em até 80% por um período mais longo do que o atual, onde esse índice foi atingido somente por alguns dias, sendo que na maioria ficou oscilando entre 72% a 78%.

Vamos ver se o plano dará certo, para pelo menos, as crianças poderem brincar mais livremente aliviando o trabalho dos pais, que dizem estarem cansados por não estarem mais conseguindo controlar a energia da meninada.

É sempre bom adiantar que toda orientação dada pelo governo e especialistas não foram imposições, mas a maioria da população entendeu e aceitou cooperar com a situação.

A cidade de Osaka foi a primeira a divulgar condições para o relaxamento do isolamento, que são: 1- número de contaminações abaixo de dez pessoas. 2 - contágio abaixo de 4.5%. 3 - taxa e uso dos leitos dos hospitais abaixo de 60%.

Se essas três metas forem alcançadas, a cidade abrirá gradativamente seu comércio, alguns parques e restaurantes. As escolas, mesmo com a meta atingida só deverão começar em junho.

Se tudo der certo, outros estados seguirão na mesma linha, e a vida pode começar a normalizar, mesmo que gradativamente.

Ministro Abe adia a quarentena