Hanami – tradição japonesa de contemplar as flores

   

Estamos na época do Hanami, onde os japoneses saem às ruas para apreciarem as flores das cerejeiras, o famoso sakurá.

É uma tradição que vem de longe, parece que começou no período Nara entre 710 e 794, seguiu pelo período Heian (795 a 1185) e continua até os dias atuais.

Todos os anos são praticamente iguais, mas ninguém deixa de contemplar a beleza dessas flores. Muitos saem às ruas vestidas do tradicional quimono, enquanto os turistas saem atrás das melhores fotos.

As árvores estão espalhadas por todo o país, mas são nos parques que as pessoas se reúnem para fazer uma espécie de pic-nic, enchendo a cara e apreciando a paisagem.

Dizem que comer embaixo das flores traz sorte, e os japoneses como são muito supersticiosos não perdem a oportunidade para tomar o seu saquê e comer sushis. Os mais jovens acrescentam frango frito e até algumas saladas no pic-nic de adultos.

Alguns levam também aparelhos de sons para poderem dançar quando já estão meio bêbados, aproveitando para jogar fora a timidez e o stress do cotidiano.

O pessoal do escritório sai um pouco mais cedo do trabalho e vão juntos para debaixo de uma árvore levando suas bebidas e lanches. Nessa hora não existe hierarquia, razão para que os subalternos possam conviver de "igual para igual" com os seus chefes participando da mesma folia e bebedeira.

No dia seguinte tudo volta ao normal e as brincadeiras serão esquecidas, cada qual ocupando o seu lugar hierárquico e respeitando o chefe como se fosse um herói.

Apreciar as frágeis flores das cerejeiras também tem um pouco de como apreciar a própria vida, pelo menos nas idéias dos poetas. Uma metáfora, pois ambas são bonitas, frágeis e duram pouco.

Em aproximadamente dez dias as flores já começam a cair com a força dos ventos. O chão fica todo encoberto com pétalas, e algumas delas são levadas também para o alto formando uma espécie de "chuva de flores", que são muito interessantes de observar.

Enfim, uma pausa para a correria cotidiana, bem como um descanso para a nossa mente tão cheia de coisas sérias.

Sakurás de Kyoto