DIGAM O QUE QUISEREM

   

Existe uma palavra que resume bem a filmografia do cineasta Cameron Crowe: honestidade. E ela está presente em Picardias Estudantis, seu primeiro trabalho como roteirista. Em Quase Famosos, relato autobiográfico que lhe rendeu o Oscar de melhor roteiro original no ano 2000. E neste Digam o Que Quiserem, de 1989, sua estreia na direção. O que roteiro dele próprio nos apresenta Lloyd Dobler (John Cusack), um jovem de Seattle que está no último ano do ensino médio e sem plano algum para o futuro. Na verdade, ele até tem um plano: lutar kickboxing. Lloyd pode não saber o que realmente quer, mas sabe com certeza o que não quer. E nesse turbilhão de coisas ele se descobre apaixonado pela garota mais inteligente e popular da escola, Diane Court (Ione Skye). Digam o Que Quiserem, apesar de ser um filme de estreia, é um típico Cameron Crowe e revela temas e posturas de personagens que se tornariam recorrentes na obra do diretor. E o elemento mais marcante, como escrevi no início dessa resenha é a honestidade. Lloyd é honesto até a medula. Honesto com ele próprio e com todos à sua volta. E o pai de Diane (John Mahoney), que tem uma forte relação de amor, proteção e honestidade com sua filha, percebe isso quando atende a um telefonema de Lloyd para Diane. Digam o Que Quiserem deveria ser o molde das comédias românticas adolescentes. Infelizmente, não o é. Em tempo: duvido que você tenha visto ou venha a ver uma declaração de amor tão singela e bonita, ao som de In Your Eyes, de Peter Gabriel, como a que Lloyd faz para Diane. Honestidade é simplesmente tudo.

DIGAM O QUE QUISEREM (Say Anything... - EUA 1989). Direção: Cameron Crowe. Elenco: John Cusack, Ione Syke, John Mahoney, Lili Taylor, Pamela Adlon, Amy Brooks, Loren Dean, Jason Gould, Polly Platt, Jeremy Piven e Eric Stoltz. Duração: 100 minutos. Distribuição: Fox.