ELAS ME ODEIAM, MAS ME QUEREM

   

Depois de um filme tenso como A Última Noite, de 2002, Spike Lee partiu para algo mais leve e dirigiu, dois anos depois, Elas Me Odeiam, Mas Me Querem, pavoroso título nacional para o original "ela me odeia”. O roteiro, escrito por Lee junto com o ator Michael Genet, gira em torno de John Henry Armstrong (Anthony Mackie). Ele é vice-presidente de uma indústria farmacêutica e é demitido por revelar esquemas de corrupção internos. Sem trabalho e precisando de dinheiro para manter seu padrão de vida, ele aceita tornar-se um reprodutor profissional que atende exclusivamente lésbicas que querem engravidar. Lee, já na abertura do filme mostrando diversas notas de dólares (inclusive uma falsa de 3 dólares), questiona se tudo não tem um valor. Esse dilema vai perseguir Armstrong, um homem que se revela ético e não tão ético assim ao mesmo tempo. Há situações engraçadas e momentos de maior reflexão. Em especial, na figura de Frank Wills (Chiwetel Ejiofor). Em tempo: este foi o último trabalho do ator Ossie Davis, que participou de outros cinco filmes do diretor. Aqui ele interpreta o juiz Buchanan.

ELAS ME ODEIAM, MAS ME QUEREM (She Hate Me - EUA 2004). Direção: Spike Lee. Elenco: Anthony Mackie, Kerry Washington, Dania Ramirez, Ellen Barkin, Woody Harrelson, Monica Bellucci, John Turturro, Jim Brown, Lonette McKee, Ossie Davis, Jamel Debbouze, Michael Genet, Chiwetel Ejiofor e Brian Dennehy. Duração: 138 minutos. Distribuição: Sony.