UMA FAMÍLIA DE PERNAS PRO AR

   

Existe uma espécie de mantra entre os roteiristas que diz termos todos nós pelo menos uma boa história para contar: a nossa própria. E foi exatamente isso que o cineasta Spike Lee fez em 1994. Dois anos após as extenuantes filmagens de Malcolm X, ele só queria lidar com uma trama mais leve. Desse desejo surgiu Uma Família de Pernas Pro Ar, título nacional horrível para o original Crooklyn. Ao lado dos irmãos Joie e Cinqué Lee, o diretor escreveu este roteiro de forte raiz autobiográfica. A ação se passa no bairro do Brooklyn, em Nova York, no ano de 1973, onde Carolyn (Alfre Woodard) e seu marido Woody (Delroy Lindo) vivem com seus cinco filhos (quatro meninos e uma menina). A mãe é professora e o pai é músico. As coisas se complicam quando Woody perde o emprego. A vida da família é filtrada pelo olhar de Troy (Zelda Harris), única filha do casal. É visível o olhar carinhoso e nostálgico de Spike Lee para com suas personagens. Principalmente, ao mostrar a rotina daquela família e seus vizinhos de rua. Tudo está bonito demais, dos figurinos aos objetos de cena. E a trilha sonora então, que resgata grandes sucessos a primeira metade da década de 1970, é um achado. Trata-se, na verdade, de um retorno do cineasta às suas raízes mais pessoais e a um jeito mais simples e discreto de contar uma história. Pode até parecer que nada acontece, mas tenha certeza, acontece tudo.

UMA FAMÍLIA DE PERNAS PRO AR (Crooklyn - EUA 1994). Direção: Spike Lee. Elenco: Alfre Woodard, Delroy Lindo, David Patrick Kelly, Zelda Harris, José Zúñiga, Isaiah Washington, Spike Lee, Norman Matlock e Vondie Curtis-Hall. Duração: 115 minutos. Distribuição: Universal.