Lagostim ao Bafo

   

Olá, pessoal!

Tudo bem?

Na receita de hoje, que é tranquila de se fazer, vamos usar lagostins!

O lagostim também é, em geral, chamado de "pitu".

Essas denominações são dadas a crustáceos de pequeno porte de diversas famílias.

Uma curiosidade: esses crustáceos trocam de carapaça! Isso mesmo! E uma carapaça nova somente cresce após o descarte da carapaça anterior, na fase de crescimento! Durante o período entre o descarte de uma carapaça e o endurecimento da nova, os lagostins ficam escondidos, já que se encontram desprovidos de sua proteção natural!

Quanto ao sabor, o lagostim acaba se aproximando mais da lagosta do que dos camarões comuns.

Aqui em Londrina, eu costumo encontrar lagostins de excelente tamanho e a um preço razoável na Nipopesca.

Vamos à nossa receita!

Ingredientes:

1kg de lagostins

1 cebola picadinha

1 tomate, sem sementes, picadinho

3 dentes de alho

1 dose de cachaça

pimenta (eu usei 3 pimentas comari do Pará picadinhas)

sal

limão

Modo de Fazer:

Limpe os lagostins. Você fará isso facilmente, observando um procedimento simples. Vire o lagostim de barriga para cima; faça uma incisão no final da cauda, até o fundo (isso serve para romper o fio intestinal que passa pelas costas dele); vire ele de barriga para baixo e descole a cabeça, passando a ponta de uma faca bem afiada pelo vão na carapaça entre a cabeça e o corpo; usando as mãos, acabe de descolar a cabeça (com cuidado, para não deixar carne dentro da cabeça); retire, também, alguma pata que tenha ficado grudada no corpo; puxe o fio intestinal; passe na água e reserve. Não se assuste: realizar o procedimento é bem mais fácil do que explicá-lo, e logo você pega o jeito.

Quando todos os lagostins já estiverem limpos, tempere com sal e o suco de um limão e deixe marinando por 30 minutos.

No fundo de uma panela, espalhe a cebola picadinha (olhe só, essa receita não leva óleo).

Por cima, espalhe o tomate sem sementes bem picadinho, e a pimenta também bem picada.

Distribua os lagostins uniformemente por cima disso tudo.

Por fim, esprema os alhos (nós usamos o dobro, mas a intenção era que ficasse extra forte de alho; dois ou três dentes de bom tamanho, em geral, são o suficiente) e regue tudo com a cachaça.

Tampe a panela, e leve ao fogo médio, por 12 minutos.

Mexa, a cada 4 minutos.

Ao final, abra a panela, e deixe a água que tiver sobrado reduzir.

Coloque tudo em uma travessa, e sirva ainda quente.

Nesse dia aí, nós fizemos os lagostins serem acompanhados de um risoto de alho poró, e de um vinho tinto bem interessante (mais especificamente um Carmenère chileno). É bem verdade que os entendidos, geralmente, indicam vinhos brancos delicados para acompanhar camarões. Como a nossa receita estava bem reforçada no alho, tomamos a liberdade de degustar um vinho tinto mesmo na ocasião (e também é verdade que, com raras exceções, vinhos tintos leves acompanham bem pratos a base de peixes e frutos do mar, sem maiores problemas).

Agora, uma dica para retirar os lagostins da carapaça, depois de cozidos: segure ele, de barriga para baixo, com ambas as mãos e faça uma pressão, para um lado e para o outro, bem no meio da carapaça; você conseguirá retirar a parte da carapaça mais próxima da cauda, e isso vai facilitar bastante retirar a outra parte com a ajuda de um garfo.

Não tem muito jeito de fazer isso tudo sem sujar um pouco as mãos: então o negócio é ter um bom estoque de guardanapos a disposição. Se a ocasião for um pouco menos informal, você pode oferecer toalhinhas quentes e uma vasilha com água morna e limão para as pessoas irem limpando as mãos.

Apesar de algum trabalho para comer, a receita fica maravilhosa, e vale muito a pena experimentar.

Como sempre, estão todos convidados a participar, com comentários, sugestões, críticas, receitas, resenhas e tudo mais!

Para ver outras receitas e resenhas, dê uma olhada no nosso índice, e também curta nossa fanpage para ficar sempre a par das novidades que trazemos para cá, e de outras notícias, curiosidades e promoções que compartilhamos apenas por lá mesmo!

Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"