Saiba o que é 'brushing', técnica por trás das sementes misteriosas da China

por Patricia Maria Alves - Grupo Folha
   
Anderson Leminska - Adapar

Recentemente, casos de recebimentos de pacotes misteriosos foram reportados na região de Londrina e Maringá. O caso está em investigação pela Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) que soltou um aviso de alerta para que os destinatários não plantem as sementes recebidas.

Casos semelhantes aconteceram nos meses de julho e agosto de 2020, m outros países, como Estados Unidos e Canadá. Prevendo que poderia acontecer o mesmo no Brasil, o MAPA (Ministério da Agricultura e Abastecimento) soltou um alerta fitossanitário. A orientação do Ministério da Agricultura é que, caso a pessoa não tenha feito compra online ou não reconheça o remetente, não utilize as sementes e leve o pacote para uma das unidades do Mapa em seu estado ou entre em contato por telefone, relatando a situação. A venda de semente online não é proibida no Brasil.

Em análises, a APHIS (Serviço de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal Estadunidense) identificou 14 variedades de plantas dentre as sementes recebidas que incluíam alecrim, orégano, hibisco, dentre outras plantas conhecidas de flores e temperos. No Brasil, as sementes ainda estão em análise.

Fim do mistério?

O que muitos chegaram a pensar ser "ataque fitossanitário", no entanto, não passava de uma estratégia burlar o ranqueamento de e-commerce denominada "brushing" ("escovando" em livre tradução), segundo nota do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). A estratégia que envia itens não ordenados aos clientes, geralmente itens de baixo custo como sementes ou pequenas joias, geram espaço de avaliação de clientes nas grandes plataformas de lojas virtuais.

Continue lendo na Folha de Londrina.

Conteúdo relacionado: