Adesão à greve aumenta e entregas podem atrasar em Londrina, diz sindicato

por Luís Fernando Wiltemburg - Grupo Folha
   
Gustavo Carneiro/Arquivo Folha

A adesão dos funcionários dos Correios de Londrina à greve da categoria chegou a 80%, segundo o Sintcom (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Comunicações Postais, Telegráficas e Similares do Paraná).

De acordo com o diretor regional da entidade, Cristian Pires, houve aumento na paralisação, que chegou a 90% entre os servidores que atuam nas atividades operacionais da estatal. Já o atendimento nas agências teve redução de 50% devido à greve, afirma. "Com poucas pessoas, os funcionários conseguem trabalhar [nas agencias], mas deve começar a haver atrasos nas entregas", alerta.

Ainda segundo o líder sindical em Londrina, apenas o setor de encomendas ainda está operando. Já a divisão de cartas está praticamente parada.

LEIA MAIS:

Sem acordo com empresa, funcionários dos Correios de Londrina prometem aderir a greve

Os servidores dos Correios entraram em greve para reivindicar a manutenção do ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) firmado em 2019, com validade por dois anos. No início da pandemia, os Correios recorreram ao STF (Supremo Tribunal Federal) para reduzir a validade para apenas um ano - assim, o acordo perderia a vigência em agosto.

O pedido foi atendido por meio de liminar e, nesta semana, a Côrte julga o mérito da ação. O mesmo ACT foi homologado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho).

Segundo Pires, como o julgamento não terminou e a empresa não desistiu da ação, os funcionários não desistiram da greve. Ele diz que, nesta quinta (20), deve percorrer cidades da região para angariar reforços à paralisação.

A assessoria de imprensa dos Correios no Paraná não informou qual a adesão dos funcionários à paralisação - apenas respondeu que, na manhã de terça-feira (18), "83% do efetivo total dos Correios no Brasil está trabalhando regularmente".

Também reiterou que a empresa "colocou em prática seu Plano de Continuidade de Negócios para minimizar os impactos à população. Medidas como o deslocamento de empregados administrativos para auxiliar na operação, remanejamento de veículos e a realização de mutirões estão sendo adotadas".

A nota ainda afirma que "a rede de atendimento dos Correios está aberta em todo o país e os serviços, inclusive SEDEX e PAC, continuam sendo postados e entregues em todos os municípios".

Conteúdo relacionado: