Paraná abre quase 9 mil vagas de emprego formal no mês de julho

por AEN-PR
   
José Fernando Ogura/AEN

O Paraná criou 8.833 empregos com carteira assinada em julho, um incremento de 214% em relação a junho, quando foram abertas 2.829 vagas. O desempenho é o quarto melhor do País, atrás apenas de São Paulo (22.967), Minas Gerais (15.843) e Santa Catarina (10.044). Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (21) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ligado ao Ministério da Economia.

Os números, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior, apontam para o início da retomada da economia paranaense, mesmo com as restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. "O resultado é muito bom e reflete a força e potencial do Estado. Um Paraná inovador e trabalhador. O Governo está tomando todas as medidas para que a economia volte a acelerar, gerando emprego e renda para os paranaenses”, afirmou.

O caminho para a retomada do crescimento passa por investimentos públicos e privados, ressaltou Ratinho Junior, destacando que a segurança institucional do Estado e a força do agronegócio contribuem com a melhoria desse cenário. "Adotamos várias medidas para não parar o sistema econômico, ao mesmo tempo em que tomamos o cuidado com as recomendações de órgãos da saúde”, disse.

SETORES - Os setores que mais se destacaram em julho foram da indústria de transformação, com 6.502 empregos criados. Na sequência, destaque para a construção civil (2.003 vagas), comércio (1.250), agricultura (390) e serviços industriais e de utilidade pública (58). Apenas o setor de serviços apresentou resultado negativo, fechando 1.370 postos.

MUNICÍPIOS - Os municípios do Paraná com melhor desempenho no Caged em julho foram Arapongas (686 empregos gerados), Umuarama (637), Ponta Grossa (623), Rolândia (441), Ortigueira (423), Palotina (408), Cafelândia (323), Palmas (239), Cambé (236) e Colombo (226). Já Curitiba apresentou a abertura de 153 vagas, abaixo do desempenho de junho, quando teve salto positivo de 301 postos.

"Novamente apresentamos saldo positivo na colocação de novos postos de empregos. Estamos aos poucos efetivando o processo de retomada, com crescimento da geração de emprego e renda no Estado”, ressaltou o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Mauro Rockenbach.

"Vamos continuar firmes com a captação de vagas por meio das Agências do Trabalhador para que possamos dar continuidade a essa ação proativa de intermediação de mão de obra determinada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior”, completou ele.

ACUMULADO - No acumulado do ano, porém, o saldo do Paraná ainda é negativo. Enquanto foram contratados 624.249 trabalhadores, outros 663.628 foram dispensados. Ainda assim, é o estado que menos perdeu postos de trabalho no Sul do País em 2020 - Santa Catarina (-45.095) e Rio Grande do Sul (-95.036).

Já o desempenho paranaense mês a mês aponta: janeiro (17.932), fevereiro (28,720), março (-12.277), abril (-59.022), maio (-25.012), junho (2.447) e julho (8.833).

"Indústria de transformação, comércio e construção começam a se recuperar, atividades importantes que alavancam outros setores da economia”, destacou a chefe do Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Renda da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, Suelen Glisnki.

NACIONAL - Os dados do Caged mostram ainda que o País abriu 131.010 novos postos de trabalho formal no mês, resultado de 1.043.650 admissões e 912.640 desligamentos no período, interrompendo a sequência negativa desde março.

O desempenho foi impulsionado pela Indústria de Transformação, com saldo positivo de 53.590 em julho. Depois vieram os setores de Construção, com 41.986, e Comércio, que registrou 28.383. Completam a lista a Agropecuária, que registrou saldo positivo de 23.027.

Todas as cinco regiões do país tiveram resultado positivo em julho. O melhor saldo pertence ao Sudeste, com a criação de 34.157 (0,18%) postos de trabalho, enquanto a maior variação relativa do estoque coube ao Norte do país, com 0,76% após gerar 13.297 vagas de emprego com carteira assinada.

No mês, a região Nordeste teve saldo positivo de 22.664 postos, equivalente a 0,37%; enquanto o Sul registrou 20.128 postos (0,29%) e o Centro-Oeste 14.084 postos, 0,44%;

Das unidades da federação, apenas Rio de Janeiro, Sergipe e Amapá registraram resultado negativo. Respectivamente, o resultado dos três estados é de -6.658 postos (-0,22%); -804 postos (-0,30%); e -142 postos (-0,21).