TCGL deposita dinheiro dos motoristas, que liberam transporte coletivo em Londrina

por Luís Fernando Wiltemburg - Grupo Folha
   
Laís Taine - Grupo Folha

A TCGL (Transporte Coletivo Grande Londrina) informou no meio da tarde desta sexta-feira (23) que pagou o vale dos funcionários e que os ônibus voltaram a circular normalmente.

O atraso no adiantamento do salário, que é chamado de vale, provocou uma greve no transporte coletivo nesta sexta nos ônibus da TCGL (responsável pela cobertura de 65% das linhas de ônibus municipais) e TIL (metropolitano). A Londrisul, que opera 35% das linhas municipais de Londrina, informou que colocou ônibus de sua frota para amenizar os transtornos da paralisação para a população.

A saída dos ônibus foi bloqueada pelos trabalhadores por volta das 4h30 e, com o pagamento, foi liberada por volta das 14h45, informou a TCGL. "A previsão é que o atendimento seja normalizado nas próximas horas”, informou a empresa, por meio de nota.

Também por meio de nota, a CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) informou que espera a normalização dos serviços até as 16h30 e que fiscais do órgão acompanham a movimentação nos terminais.

O presidente do Sinttrol (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Londrina), João Batista da Silva, disse que a empresa pagou apenas metade do valor do vale. "Os gerentes da empresa dizem que estão vivendo um dia de cada vez e que têm a esperança de pagar o restante do vale no dia 30 [de outubro] e o salário integral no quinto dia útil [de novembro”, diz.

Porém, para o líder sindical, a declaração atribuída aos gerentes da TCGL seria praticamente uma "declaração de impossibilidade de pagamento”. "É provável que tenhamos de paralisar no dia 30 de novo. E, depois, ainda vem o fim do ano, com o pagamento do 13º [salário]. Tem muita coisa pela frente”, afirma.

.