Calor de 36ºC desafia fiscalização de áreas de lazer em Londrina

por Micaela Orikasa - Grupo Folha
   
Roberto Custódio/Grupo FOLHA

No primeiro final de semana após a publicação do decreto municipal nº 1.049, que interdita as áreas de lazer como lagos, parques, praças, ciclovias, pistas de caminhada e academias ao ar livre, agentes da GM (Guarda Municipal) intensificaram as rondas.

No domingo (13) à tarde, quando os termômetros marcaram 36°C, algumas famílias ainda se arriscaram a sair de casa para se refrescar ao ar livre. A FOLHA percorreu as principais áreas e encontrou grupos espalhados, especialmente na barragem do Lago Igapó. O local que é ponto de encontro de muitos londrinenses teve um movimento enfraquecido pelas medidas restritivas anunciadas na quarta-feira (9), pelo prefeito Marcelo Belinati.

O novo decreto, entrou em vigor na sexta-feira (11) e é válido por 14 dias. O documento proíbe a permanência de pessoas nesses espaços e estabelece multa de R$ 300 para quem for flagrado sem máscara. Também estão proibidos o funcionamento de bares e a realização de eventos e partidas esportivas. O sorveteiro Paulo César, que todos os finais de semana está na barragem do Igapó, deu um exemplo sobre como a nova restrição funcionou neste domingo.

LEIA TAMBÉM:

- No primeiro dia de lei seca, GM e Fazenda lacram bares e multam pessoas

"Vendo normalmente 450 sorvetes em um domingo quente como esse, mas hoje foram só dez. Tá vazio, péssimo para as vendas, mas é a prova de que a 'apertada' que o prefeito deu está dando certo. O povo ficou com medo", disse. Enquanto a reportagem esteve no local, algumas viaturas da Guarda Municipal fizeram ronda e houve abordagem.

Na praça Nishinomiya, no Aeroporto (zona sul), o cenário também foi bem diferente do habitual. Não havia nenhuma pessoa. Uma viatura da GM estava estacionada no local e foi passada fita zebrada no entorno. De acordo com os agentes, a presença no local inibiu qualquer família que pensou em frequentar o espaço.

Na zona norte da cidade, os lagos Norte e Cabrinha também foram monitorados. Uma família com três crianças pequenas disseram que estavam só de passagem. "Saímos para tomar um sorvete e as crianças quiseram parar um pouco aqui. Como não tinha ninguém, achei que não teria problema. Elas estão cansadas de ficar dentro de casa, ainda mais com esse calor. Acho que se todo mundo usasse máscara e respeitasse a distância, não precisaria de regras tão duras", comentou a mãe, que preferiu não se identificar. Em poucos minutos, a família foi embora do Lago Cabrinha.

No outro lado da avenida, no Lago Norte, um casal que foi orientado a se retirar por uma equipe da GM, desabafou. "Na minha rua tem festa todo sábado, com muita gente e até altas horas. Ninguém descansa e já cansamos de reclamar. Agora, a gente vir aqui na beira do lago para descansar um pouco ao ar livre, não pode? É complicado. Todo mundo deve sair então", diz Geraldo Valdecir dos Santos, apontando outros grupos espalhados pelo gramado.

O artigo 3º do decreto 1049/2020 informa que fica vedada a utilização de parques, praças, pistas de caminhada, ciclovias, academias ao ar livre e demais espaços públicos similares existentes no Município, inclusive o Parque Arthur Thomas e o Jardim Botânico, sendo proibido o trânsito e a permanência de pessoas nos referidos locais, em qualquer número, para quaisquer fins.

Continue lendo no site da FOLHA: https://www.folhadelondrina.com.br/geral/fim-de-semana-de-fiscalizacao-nas-areas-publicas-em-londrina-3017460e.html

Serviço: Denúncias de descumprimento de regras previstas nos decretos municipais podem ser feitas para o telefone 153 da Guarda Municipal e para o 99995-0272 (Whatsapp).

Conteúdo relacionado: