Denúncias de golpe do WhatsApp clonado chegam a três por semana em Londrina

por Mariane Teles - Estagiária*
   

Golpistas estão sempre procurando novas modalidades para enganar vítimas e extorquir dinheiro e informações delas. Desta vez, o golpe mais comum está sendo realizado pelo WhatsApp, aplicativo com mais de um bilhão de usuários espalhados por 180 países.

Pixabay

LEIA MAIS

Saiba como funciona o golpe da clonagem de celular

Confira truques para visualizar mensagens no WhatsApp sem que ninguém saiba

Saiba quem são os criminosos que aplicam golpes em Londrina

Quais são os golpes mais comuns em Londrina?

Certamente, o aplicativo está presente no seu dia a dia, seja nas relações sociais ou para uso de trabalho. Por isso, o golpe acaba sendo aplicado com facilidade em tantas pessoas. As consequências para as vítimas são o vazamento de informações pessoais até a perda de dinheiro.

Segundo o delegado do 1º Distrito Policial de Londrina, Edgard Soriani, as denúncias por golpes aplicados por clonagem do WhatsApp chegam a três por semana na cidade. Ele afirma que, em muitos casos, a pessoa nem percebe que perdeu a sua conta.

A identificação dos autores dos crimes também acaba sendo dificultosa, já que os estelionatários são de estados diferentes aos das vítimas. No Paraná, muitos golpes estão sendo rastreados até São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso, de acordo com Soriani.

Como o golpe é aplicado

O golpe pode ter variações, mas a grande maioria dos casos acontece nesse padrão, segundo o delegado:

1) A vítima divulga o seu telefone para a venda de produtos em sites de comércio eletrônico, como OLX e Mercado Livre;

2) O golpista envia uma mensagem ou liga, se passando por funcionário do próprio site de vendas e solicita a atualização de dados cadastrais ou oferece algum serviço gratuitamente;

3) Neste momento, o golpista pede à vítima que forneça um código de seis dígitos enviado por SMS ao seu celular;

4) Após o código ser informado, o golpista consegue acessar a conta do WhatsApp da vítima e se passar por ela para pedir dinheiro emprestado aos contatos. Geralmente, o golpista usa a história de que precisaria fazer uma transferência para determinada conta, mas não estaria conseguindo por algum tipo de erro no aplicativo bancário e por isso, precisaria da ajuda desse contato. A promessa é que mais tarde devolveria o dinheiro emprestado.

Por se tratar de amigos e famílias, muitas pessoas acabam fazendo a transferência sem qualquer questionamento. A vítima só acaba sabendo do golpe após ser avisada pelos contatos que depositaram o dinheiro pedido.

Caso em Londrina

O advogado Ricardo Filho passou por esta situação com o pai em outubro do ano passado após realizarem o anúncio de uma caminhonete na OLX.

O pai do advogado recebeu uma mensagem de uma pessoa se passando pela equipe de manutenção do site, logo após publicar a venda do veículo, solicitando o código de seis dígitos enviados por SMS. Após ter informado o número, ele teve seu WhatsApp clonado e passou a ter mensagens enviadas para os seus contatos pedindo R$ 5 mil. Como o filho foi um dos primeiros a receber a mensagem e já conhecia o golpe, logo alertou amigos e familiares para não realizarem a transferência.

Ricardo afirma que, frequentemente, recebia mensagens após fazer os anúncios no site eletrônico, e ao ignora-las, transformaram-se em ligações, até que decidiu parar de anunciar.

Logo após a publicação desta matéria, o jornalista Thiago Nassif, colunista social da Folha de Londrina e Portal Bonde, publicou uma série de stories alertando seus seguidores sobre um golpe. Nassif informou que há pessoas entrando em contato via WhatsApp se passando por ele e negou que esteja promovendo festa ou qualquer evento.

Reprodução/Instagram

O que fazer?

Caso você tenha sido vítima desse golpe, o primeiro passo é registrar ocorrência policial na delegacia e avisar aos amigos e familiares para que não façam nenhum tipo de depósito ou forneça informações.

Após ter feito isso, é hora de bloquear o seu WhatsApp para que os invasores não consigam mais acessá-lo. Você pode fazer isso enviando um e-mail para support@whatsapp.com. No assunto do e-mail escreva: "perdido/roubado: por favor desative minha conta” e coloque no corpo do texto o número de telefone no formato internacional: +55 DDD NÚMERO. A empresa do WhatsApp irá desativar a conta da vítima, que só poderá ser utilizada após sete dias.

Há casos também em que o golpista ativa a opção de "confirmação em duas etapas”, uma maneira de dificultar a retomada da conta pela vítima. Reinstale o aplicativo no celular e digite erroneamente códigos sucessivos até bloquear a conta. Após determinado período, o titular receberá um novo SMS.

Dicas de como evitar o golpe

Para evitar que você passe por isso, o WhatsApp disponibiliza uma ferramenta que permite você cadastrar uma senha de verificação para a sua conta. Todas as vezes que um novo dispositivo registrar o seu número, esta senha é solicitada. Para ativar, você deve ir até as configurações do aplicativo e na área de "conta”, selecionar a opção de "confirmação em duas etapas” e escolher uma senha. Não coloque senhas óbvias, como o número do CPF ou a data de nascimento.

Redação Bonde

Outra recomendação importante é estar atento ao receber códigos enviados por SMS. Caso você receba, não repasse a ninguém e nem qualquer outra informação sem antes confirmar com o setor responsável das empresas que solicitaram por meio de seus canais oficiais de atendimento.

Fique atento às mensagens recebidas de seus amigos: desconfie de "jeitos” incomuns deles se comunicarem ou pedidos feitos inesperadamente e dados conflitantes.

(*Sob supervisão de Fernanda Circhia)

Atualizada em 17/01/2020 às 11h59.

Conteúdo relacionado: