Hospitais de Londrina enfrentam superlotação

por Marcos Roman/ Grupo Folha
   

Dois dos maiores hospitais de Londrina estão atendendo acima de sua capacidade normal neste final de semana. Na tarde deste domingo (26), a taxa de ocupação dos leitos de UTI atingiu 98% no Hospital Universitário (HU) e 105%, na Santa Casa. As enfermarias de pronto-socorro também apresentaram sobrecarga. O aumento da demanda é atribuído à suspensão de atendimento no pronto-socorro do Hospital Evangélico que está fechado desde a última quarta-feira (22) após o registro da morte de um paciente com Covid-19.

Gustavo Carneiro / Grupo Folha

"O HU está lotado, pois o número de pacientes encaminhados para o hospital triplicou nas últimas 48 horas”, afirma a superintendente do hospital, Vivian Feijó. Segundo ela, neste final semana foram atendidos 156 pacientes, enquanto a média diária é de 60. "Chegamos a atingir um índice de 98% de ocupação dos leitos de UTI e 115% das enfermarias do pronto socorro. Pela primeira vez desde o início da pandemia houve sobrecarga da estrutura física, com pacientes recebendo atendimento nos corredores”, detalha.

Ela alerta que além da sobrecarga de trabalho, a superlotação coloca em risco a segurança dos pacientes e da equipe de atendimento do hospital. "O HU atende a rede de urgência e emergência e também o fluxo das doenças respiratórias como referência ao atendimento da pandemia. Estamos sobrecarregados e não podemos correr o risco de sofrer um surto de Covid-19, para evitar isso precisamos proteger os pacientes não contaminados e também os nossos colaboradores”, enfatiza.

A superintendente salienta que para conter o aumento da demanda de pacientes é necessária uma intervenção imediata das autoridades para que seja retomada a prestação de serviço entre os três hospitais e a rede de urgência e emergência. "Lembrando que atendemos 96 municípios e parar o HU seria um transtorno difícil de ser administrado”, ressalta.

A reportagem da FOLHA tentou contato com Felippe Machado, secretário municipal de Saúde, mas não obteve retorno.

CONTINUE LENDO NO SITE DA FOLHA: AQUI