Ato público e missa em Maringá marcam um ano da morte de Magó

por Redação Bonde
   
Reprodução/Youtube/CBN Maringá

Uma manifestação contra o feminicídio no centro de Maringá,no sábado (23), lembrou um ano da morte da bailarina Maria Glória Poltronieri Borges, a Magó. Ela foi abusada e assassinada em janeiro de 2015, aos 25 anos, quando passeava em uma cachoeira em Mandaguari.

Nesta segunda-feira (25), foi celebrada a missa de um ano do ocorrido.

LEIA MAIS: Decreto libera aulas presenciais e atividades esportivas em Maringá

Em 26 de janeiro de 2020, Magó foi a uma chácara em Mandaguari para participar de um retiro espiritual. Ela voltaria para casa no dia seguinte. No meio da tarde, ela desceu para a cachoeira para meditar e ficar entre a natureza. Nunca mais voltou.

O suspeito do crime é Flávio Campana, à época, com 41 anos.Ele permanece detido. Campana nega a autoria do feminicídio, mas a perícia criminal encontrou material genético dele no corpo da dançarina. O inquérito do caso foi concluído em março do ano passado.

Em maio, quando Magó completaria 26 anos, o Grupo Folha prestou uma homenagem à bailarina.

.

Conteúdo relacionado: