Cambé e Ibiporã seguem decisão de Londrina e decretam medidas mais restritivas

por Vitor Ogawa - Grupo Folha
   
Divulgação
Ibiporã

Depois de Londrina publicar novo decreto determinando o fechamento de todos os bares da cidade e áreas de lazer como aterro, praças e parques a partir de sexta-feira (11), Cambé e Ibiporã (ambos da Região Metropolitana de Londrina) também decidiram seguir a decisão e decretaram medidas restritivas visando a diminuição das aglomerações para evitar a disseminação do novo coronavírus.

Segundo a assessoria de comunicação da Sesa/PR (Secretaria de Estado de Saúde do Paraná), as recomendações estaduais seguem as mesmas, e os municípios têm autonomia para tomada de decisão. "A Sesa e Governo do Estado analisam a situação da doença diariamente e as ações são discutidas e avaliadas constantemente”, diz o comunicado da Sesa.

O Governo Estadual já chegou a determinar um lockdown anteriormente, que atingiu sete das 22 regionais de saúde do Estado em julho deste ano. Na região, todos os municípios da 17ª Regional de Saúde e da 18ª Regional de Saúde de Cornélio Procópio foram atingidos na época.

Em Cambé o decreto municipal 225/2020 estabelece que o horário de funcionamento do comércio em geral é das 10 às 16 horas. Os bares, restaurantes, conveniências e lanchonetes podem atender até as 22 horas, ou seja, tiveram diminuída uma hora de funcionamento com o novo decreto, mas esse atendimento deve ser sem música ao vivo ou DJs. Há a proibição de práticas de dança em geral. As festas e confraternizações com mais de dez pessoas também ficam proibidas. A multa para quem desobedecer as medidas é de R$ 8 mil até R$ 16 mil e, em casos de reincidência, pode ocorrer a interdição do local.

O prefeito de Cambé, José do Carmo Garcia, ressaltou que não houve essa coordenação de planejamento entre os municípios conurbados. "Mas se você me perguntar se eu tive um olhar para o que Londrina definiu eu respondo que isso pesou na minha decisão. Se eu deixo a aberto aqui os bares a partir das 22 horas é um estímulo para que o pessoal de Londrina venha para cá também. Eu tenho que me precaver, senão acabo perdendo controle do trabalho que tenho realizado em Cambé", destacou.

LEIA TAMBÉM:

Belinati determina proibição de venda de bebida alcoólica para consumo presencial em Londrina

Belinati anuncia fechamento de bares e áreas de lazer em Londrina

Abrabar diz que fechamento de bares é 'discriminação' e vai à Justiça contra decreto

Abrasel pede flexibilização em decreto que determina fechamento de bares em Londrina

Fechamento dos bares em Londrina: o que pensam comerciantes, atendentes e clientes?

Interdição das áreas de lazer em Londrina já está valendo

O Secretário de Saúde de Ibiporã, Paulo Roberto Zapparoli, destacou a importância de se tomar decisões independentes. "Nós acompanhamos uma decisão de Londrina porque assim que a prefeitura de Londrina decidiu pelo fechamento de bares e restaurantes começaram a aparecer nas redes sociais mensagens escritas #boraIbiporã. Essas pessoas podem trazer a doença para nossa cidade. Eu disse ao prefeito que se não tomássemos medidas, teríamos problemas. Eu não posso perder esse controle", destacou.

Ibiporã decretou que a partir do dia 14 até o dia 23 fica proibida a abertura e funcionamento de bares, lanchonetes e similares; e a venda ou fornecimento de bebidas alcoólicas para consumo no local e em suas imediações por qualquer estabelecimento no município.A multa prevista é de R$ 3 mil; e as penalidades preveem a interdição do estabelecimento; cassação do alvará de localização e funcionamento. O decreto permitiu o funcionamento por meio do sistema de entrega em domicílio ou de retirada no local.

CONTINUE LENDO:

A FOLHA ouviu também o presidente da Acil e associações de Ibiporã e Cambé sobre o combate à pandemia em conjunto. Acesse para ler a matéria completa!