Congresso prorroga CPMI das Fake News por 180 dias

por Agência Brasil
   

Deputados e senadores decidiram prorrogar por 180 dias a CPMI (comissão parlamentar mista de inquérito) que investiga a propagação de notícias falsas. O novo prazo passa a contar a partir de 14 de abril, quando termina o primeiro prazo para conclusão dos trabalhos. Para conseguir a prorrogação do prazo, o colegiado precisou de 209 assinaturas de deputados e 34 de senadores.

Pixabay

A CPMI investiga a criação de perfis falsos para influenciar as eleições do ano passado e os ataques cibernéticos contra a democracia e o debate público. De acordo com o presidente da comissão, o senador Ângelo Coronel (PSD-BA), a propagação de informações falsas sobre a pandemia também será alvo de investigação.

"Vamos colocar nossa parte técnica para descobrir quem são os patrocinadores dessas pessoas que utilizam perfis falsos para poder usar as redes socais para depreciar as instituições, depreciar famílias, atentar contra a vida e agora estão atentando com falsas informações a respeito do coronavírus. Nós temos que banir, das redes sociais, os marginais digitais e também punir os seus financiadores”, disse o senador, em declaração divulgada pela Agência Senado.

Parlamentares da base do governo tentaram esvaziar a comissão e impedir sua prorrogação.

Em virtude do isolamento social provocado pela epidemia do novo coronavírus, as atividades presenciais da comissão estão interrompidas. Não há previsão para sua retomada.

Conteúdo relacionado: