Cinco dicas para trocar o carro sem prejudicar o orçamento

por Redação Bonde

Por mais que chegue um momento em que é notória a necessidade trocar o carro, é preciso colocar na balança o quanto tal feito pode ou não afetar seu orçamento e a saúde financeira. Por isso, para trocar seu veículo sem passar perrengues, é necessário ter muito cuidado, prestar atenção e pesquisar muito. Como é de conhecimento, o preço final do carro é sempre maior do que o que está estampado no anúncio. Portanto, cuidado.

Além das taxas a pagar no momento da compra, ainda existem os gastos adicionais para manter o carro em funcionamento. Nesse quesito, entram combustível, seguro, manutenção, entre outros. No final das contas, se não houver cuidado, o veículo pode acabar levando uma fatia considerável do orçamento.

#1 Planejamento financeiro

O primeiro passo para fazer um bom negócio na troca do carro é planejar com antecedência. Afinal de contas, não se trata de um bem barato e, por isso, é preciso estar com todos os cálculos muito bem-feitos.

Deve-se colocar na ponta da caneta os gastos mensais. Depois, incluir a receita familiar, considerando todas as rendas. E, por último, acrescentar os custos referentes ao carro.

É importante lembrar que após a compra de um novo veículo, entram as despesas de seguros, impostos, combustível e manutenção.

#2 Pesquisa

Um dos fatores mais importantes no momento de trocar um carro, sem atrapalhar o orçamento, é a pesquisa.

Fazer um levantamento de valores na internet é interessante pois, dessa forma, é possível ver, em média, quanto custa o modelo desejado. Com as informações anotadas e as pesquisas feitas, é hora de consultar concessionárias ou revendas atrás das melhores oportunidades.

É essencial fazer test drive (principalmente no caso de seminovos) e perguntar tudo o que precisar ao vendedor.

Com todas as informações coletadas, é hora de pesar quais foram as melhores opções. Com a certeza do melhor negócio, basta finalizar a compra.

#3 Optar por um veículo seminovo

Nos últimos anos, o preço de um zero quilômetro aumentou consideravelmente. Com isso, o mercado de seminovos voltou a ficar interessante e pode ser a solução para que conseguir comprar um bom veículo gastando pouco.

E o preço é mesmo o grande diferencial dos usados. Pela mesma quantia de um 1.0 básico, é possível comprar um carro de categoria bem superior, com inúmeros acessórios e equipamentos, aumentando o valor agregado da aquisição.

E, se der sorte, ainda pode conseguir um seminovo que esteja em garantia, já que algumas marcas estenderam seus prazos nos últimos anos.

Para fazer um bom negócio no mercado de usados, além de pesquisar bastante, é preciso tomar alguns cuidados. O primeiro deles é buscar informações sobre a procedência do carro pretendido, inclusive pesquisando sobre a sua situação legal. Com um rápido acesso no site do Detran do seu Estado, já é possível obter tais informações.

Antes de fechar o negócio, solicite que um mecânico de confiança faça uma avaliação completa para atestar a qualidade do veículo.

#4 Fazer uma cotação do seguro antes de trocar o carro

O valor do seguro varia muito de carro para carro e isso pode fazer muita diferença no valor final do bem. Portanto, antes de procurar um automóvel novo, é importante pedir uma cotação dos modelos pretendidos a um corretor.

Um dos itens que influencia fortemente no preço de uma apólice, além do perfil do motorista, é o custo de manutenção do carro. Isso porque em caso de batida, o conserto pode ficar mais caro do que o normal e a seguradora vai cobrar a mais por isso.

5# Ter conhecimento da manutenção do modelo de carro

O custo de manutenção é decisivo para a escolha de um modelo de carro. Veículos com peças caras e que costumam apresentar problemas constantemente são sinônimos de prejuízo em longo prazo.

Essa não é uma informação difícil de ser obtida. Basta pesquisar em publicações especializadas qual é o histórico, não só do veículo, mas da montadora. Carros que utilizam muitas peças importadas são um mau negócio, tanto pelo preço delas quanto pela dificuldade em encontrar um mecânico que saiba consertá-lo.