Ford Territory chega querendo retomar lugar entre os mais luxuosos

por Folhapress
   
Divulgação / Ford

A Ford dá início à renovação de sua linha no Brasil com a chegada do Territory. O SUV é importado da China, assim como um iPhone e outros tantos gadgets.

A opção SEL custa R$ 165,9 mil e é equipada com seis airbags, controles de estabilidade, conexão sem fio com celulares (Apple CarPlay e Android Auto) e direção com assistência elétrica.

O carro e o ar-condicionado podem ser ligados por meio de um aplicativo desenvolvido para a Ford.

A versão Titanium (R$ 187,9 mil) acrescenta controle de cruzeiro adaptativo (acompanha o ritmo do trânsito na estrada sem que seja preciso frear ou acelerar), frenagem autônoma de emergência, bancos dianteiros com ajustes elétricos, aquecimento e resfriamento, painel digital e rodas de 18 polegadas.

Divulgação / Ford

Foi o Territory mais equipado que passou pelo teste Folha-Mauá. O carro chegou à garagem com bancos parcialmente forrados de couro creme e molduras plásticas que imitam madeira. A combinação destaca o espaço na cabine, um dos melhores de seu segmento.

O porta-malas tem 348 litros de capacidade, número próximo ao do Jeep Compass (410), mas distante do oferecido pelo Volkswagen Tiguan Comfortline (686). É um problema para o Territory em um segmento que prioriza as famílias.

Após achar a melhor posição ao volante, o motorista precisa de um tempo para aprender a lidar com tantos comandos. Há um botão giratório que permite mexer na central multimídia, mas também é possível fazer escolhas por meio da tela tátil.

Após tudo ajustado, o Ford Territory parte sem fazer barulho. É possível notar o empenho da montadora em recuperar o ar luxuoso que consagrou a marca.

Divulgação / Ford

A suspensão preza pela suavidade e não faz os ocupantes sofrerem ao rodar sofre asfalto ruim. O foco está no conforto, sem pretensões esportivas.

Na pista de testes, o desempenho foi razoável. A combinação do motor 1.5 turbo a gasolina (150 cv) ao câmbio automático do tipo CVT, que simula oito marchas, levou o novo SUV do zero aos 100 km/h em 11,3 s.

Para comparar, o Compass Limited 2.0 flex (R$ 154 mil) cumpre a mesma prova em 12,3 s, e o Volkswagen Tiguan Comfortline 1.4 TSI flex (a partir de R$ 171,7 mil), em 9,5 s.

Após o teste, o Ford Territory deixou boa impressão. Seu conjunto mecânico está adequado à proposta, mas tem a desvantagem de não ser flex. Seus pontos fortes são o espaço na cabine e a fartura de equipamentos, além da tradição da marca americana no segmento de utilitários esportivos.

Conteúdo relacionado: