Pandemia derruba venda de veículos em março, e abril será pior

por Folhapress
   

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus já se refletem nos emplacamentos. As vendas de veículos novos caíram 18,6% em março na comparação com fevereiro, de acordo com dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores).

Pixabay

Foram licenciados 163.638 carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões no último mês. Em relação a março de 2019, a redução é de 21,8%.

A média diária de vendas ficou em 7.438 unidades, uma queda de 33,4% em comparação a fevereiro. O resultado é inferior até aos números registrados em março entre os anos de 2015 e 2017, quando houve quedas seguidas na comercialização de veículos.

É o pior março desde 2006, e abril será pior. Ainda não é possível dizer quando as concessionárias serão reabertas e, mesmo que isso ocorra neste mês, as empresas não esperam que haja procura presencial por carros novos.

O mês passado havia começado com emplacamentos diários superiores a 10 mil unidades. Se o número fosse mantido, haveria crescimento de aproximadamente 9% nas vendas em relação a fevereiro.

Mas o agravamento da crise causada pelo novo coronavírus, com fechamento das lojas e das linhas de produção, fez os números despencarem. Na última semana do mês, menos de 1.000 veículos novos foram licenciados por dia, em média.

Os dados de produção serão divulgados na próxima segunda (6) pela Anfavea (associação que representa as montadoras instaladas no país). O número certamente será negativo, pois as empresas estão paradas desde a última semana.

As empresas têm feito prorrogações das férias coletivas. O trabalho nas quatro fábricas da Volkswagen está interrompido até o dia 30 de abril.

"A partir dessa data, a produção será retomada de acordo com a programação da cadeia de suprimentos e de logística de cada fábrica", diz nota divulgada pela montadora alemã.

A Toyota havia previsto que voltaria a montar veículos na segunda (6), mas a parada será estendida até o dia 22. A medida também considera a baixa demanda do mercado.

Para tentar atenuar os prejuízos, as montadoras promovem vendas online, mas nem todas têm ferramentas digitais que permitam fechar negócio à distância. Há veículos em estoque.

A Fenabrave, que representa os distribuidores de veículos, deve divulgar nesta quinta (2) novas previsões para o setor automotivo. Segundo a entidade, os automóveis disponíveis nas concessionárias no meio de março, pouco antes das paralisações, cobriam um período de 45 a 60 dias de vendas.

Conteúdo relacionado: