Professor de engenharia dá dicas de cuidados com carros e motos durante período de isolamento

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

Segundo dados do DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) referente ao mês de abril de 2020, o Brasil tem mais de 80 milhões de automóveis e motos. Com a pandemia da covid-19 e a adoção do isolamento social como medida preventiva para conter a disseminação do vírus, grande parte da população tem ficado mais tempo em casa e, como consequência, os veículos automotores também passaram a circular menos nas ruas.

Divulgação

O professor do curso de engenharia da Faculdade Pitágoras, o engenheiro mecânico André William Tonatto, lista os principais problemas causados pela falta de uso dos veículos, cuidados necessários para evitá-los e recomendações técnicas. Além disso, o especialista traz dicas para motoristas de aplicativos e lista cuidados com álcool em gel nos automóveis. Confira abaixo:

Principais problemas identificados pela falta de uso

1. Descarga da bateria dos automóveis e motocicletas;

2. Baixo nível de lubrificação entre componentes do motor.

3. Prolongado armazenamento do combustível no tanque e reservatório de partida à frio, ocasionando a deposição de particulados, que podem resultar em dificuldades no momento da partida do veículo, entupimento dos bicos injetores ou componentes do carburador (caso possuir), além de possíveis falhas ao longo do funcionamento do veículo.

Principais cuidados para evitar os problemas citados acima

1. Recomenda-se que o motor do veículo seja acionado ao menos uma vez a cada 15 dias durante 15 a 20 minutos. Se possível, os veículos idealmente deveriam rodar durante esse tempo de acionamento do motor. Caso o tempo em que veículo permanecer parado superar os 30 dias, recomenda-se que os cabos da bateria sejam desconectados, evitando-se assim sua descarga total;

2. Procedimentos de manutenção são sempre de extrema importância para automóveis e motocicletas, devendo-se observar os níveis de óleo lubrificante, fluido de arrefecimento e fluido do sistema de freios. Dessa forma, o correto nível/volume do fluidos mencionados contribuirão para garantir vida útil do conjunto.

3. Os combustíveis possuem prazo de validade, como a gasolina por exemplo, em que o seu armazenamento no veículo não utilizado, por períodos superiores a três meses, é desaconselhável. Recomenda-se, então, que o abastecimento do veículo seja realizado de acordo com as necessidades mínimas do usuário, para que esse combustível não supere o prazo de validade, durante esse período de baixa utilização.

4. Recomendações técnicas

Após um longo período com os veículos parados, recomenda-se que estes passem por um procedimento de limpeza interna, e que produtos perecíveis não sejam armazenados em seu interior O monitoramento da pressão dos pneus também é de extrema importância, sugerindo-se a calibração com a máxima pressão indicada pelo fabricante, evitando-se assim a utilização do pneu em condições de baixa pressão.

Destaca-se também que a manutenção preventiva deve ser sempre realizada por profissionais qualificados e de acordo com as orientações do fabricante do veículo, tendo esses procedimentos uma relação direta com a confiabilidade e segurança.

Recomendações aos motoristas de aplicativo

Aos motoristas de aplicativo recomenda-se que utilizem de todos os padrões de higienização pessoal, a utilização de máscaras e a substituição das mesmas a cada 2h, utilização de álcool em gel nas mãos, no volante, câmbio, freio de mão e demais partes. Ao final do dia, é indicado uma lavagem dos tapetes, higienização com álcool 70% dos bancos, maçanetas e porta-trecos. Como medida preventiva, é importante evitar a utilização e recebimento de dinheiro e moedas em espécie.

Álcool em gel dentro do carro

O armazenamento de pequenos frascos individuais dentro do carro não oferece risco, desde que não estejam expostos diretamente a radiação solar. Não é recomendado o armazenamento de fracos a partir de 500ml dentro do carro, pois a temperatura de combustão espontânea do álcool 70% está acima dos 300ºC e, ainda assim, a partir dos 16,6ºC o álcool já libera substâncias e vapores que, em contato com fontes de ignição como faíscas, podem gerar uma combustão dentro do veículo. Dessa maneira, o álcool em gel deve ser armazenado em pequenas embalagens de uso pessoal e carregado junto ao proprietário do automóvel.

Conteúdo relacionado: