Consumo consciente: o que muda no modo de morar depois da quarentena

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

Ainda não sabemos quando a pandemia vai acabar, mas uma coisa é certa: O mundo jamais voltará a ser como antes. Entre as mudanças para a nova ‘vida normal’, o consumo consciente deve ser uma das principais mudanças para as pessoas, que passarão a refletir mais o impacto que geram ao meio ambiente.

Freepik

Tanto na arquitetura como na decoração, também haverá uma transformação no pensamento dos consumidores que, com a intensidade do viver tanto tempo dentro de casa, passaram a valorizar mais o morar. Os arquitetos Bruno Moraes, à frente do escritório Bruno Moraes Arquitetura, Carina Dal Fabbro, do Carina Dal Fabbro Arquitetura, e Isabella Nalon, do Isabella Nalon Arquitetura, mostram como é possível traduzir esse pensamento em ações práticas.

Mas afinal, o que é o consumo consciente?

A arquiteta Carina Dal Fabbro explica que o conceito "está diretamente ligado ao comportamento de não exceder as necessidades de consumo, um comprar consciente e um olhar sobre o impacto que essa relação monetária traduzirá para a qualidade de vida do planeta”.

Se até bem pouco tempo atrás o consumo consciente era uma tendência em expansão, hoje será uma prática ainda mais reforçada. "Após um período que nos possibilitou compreender o real valor das aquisições, as pessoas deixarão de consumir por impulso e prevalecerá a qualidade, a funcionalidade e a importância desses itens para o consumidor”, defende Isabella Nalon.

Mais comodidade em casa

Divulgação

A valorização do conforto e do bem-estar pautarão os novos projetos de arquitetura de interiores, haja vista a experiência atual possibilitou um novo panorama: independentemente do tamanho, um lar bonito apenas não bastará, é fundamental que a casa ‘abrace’ o morador e esteja pronta para atender todas as suas demandas.

"A relação entre bem-estar x produto virá com ainda mais intensidade depois dessa quarentena”, defende Bruno Moraes. Se com a rotina de até bem pouco tempo atrás as pessoas enxergavam a casa apenas como um lugar para dormir, e não como um ambiente para permanência mais duradouras, a pandemia possibilitou essa revisão. "Na vida corrida daqueles que vivem nas grandes cidades, por exemplo, muitos sequer usufruíam de cômodos da casa como cozinha e área de serviço. Nos próximos projetos, tenho convicção de que as pessoas nos solicitarão ambientes mais funcionais”, revela Isabella.

Mudanças sutis, mas de grande impacto

Divulgação

Algumas medidas simples, como a substituição das lâmpadas já traz impacto positivo para o meio ambiente. "Uma lâmpada de LED garante aproximadamente 80% de economia de energia elétrica”, revela Carina. "Junto com as questões sustentáveis que amparavam a tendência do LED, essa troca também se justifica pela necessidade de analisar melhor os gastos. Com o atual cenário econômico, as famílias precisam avaliar suas rotinas, cortar excessos e promover alterações que, de forma geral, não impactem na qualidade de vida”, reitera Bruno.

O ar-condicionado também é um grande vilão do consumo de energia elétrica. Assim, optar por modelos como o inverter garante uma economia de 60% em relação aos outros modelos. Assim como a geladeira inverter e outros eletrodomésticos são mais econômicos, o consumidor intensificará sua busca por itens com esses perfis. "As marcas precisam estar atentas à essa nova busca do brasileiro”, salienta o arquiteto Bruno.

A transmutação no comportamento de compra também será refletida pelo desejo de quem as marcas adquiridas agreguem propostas mais sustentáveis e humanas. Não basta apenas avaliar as características do produto, mas dentro de um contexto mais amplo, o relacionamento entre o consumidor e a marca envolve o histórico e o comportamento da empresa. "Como a minha compra será revertida em ações realizadas pelo fabricante? Qual a sua consciência com relação ao meio ambiente e o ser humano? Mais do que nunca essas perguntas são frequentes por parte dos meus clientes e o marketing das empresas precisam expressar fatos reais", expõe Bruno.

Divulgação

Para quem pretende construir a moradia, a procura será por processos que poupem recursos naturais. "Acredito em um crescimento na busca por aquecimento solar e energia fotovoltaica, pois é extremamente benéfico quando o imóvel consegue produzir a energia suficiente para suprir o consumo do lar. Com o planejamento, o investimento é recuperado anos após a instalação”, esclarece Isabella Nalon.

O reaproveitamento de água da chuva também deve se fazer presente nos projetos. Por meio do armazenamento em sistemas de cisternas, o recurso hídrico é direcionado para torneiras de jardins e atividades que permitam a água de reuso, como limpeza de áreas externas e calçadas.

Conteúdo relacionado: