Alagamento no prédio: quem é responsável pelos estragos da chuva?

por Emerson Vicente/Folhapress
   

As chuvas das últimas semanas deram bastante dor de cabeça aos paulistanos, principalmente para os moradores de um condomínio na avenida Mofarrej, na Vila Leopoldina (zona oeste). A garagem alagou e a água encobriu os carros.

Reprodução

"Todos os anos chove e alaga na frente, mas nunca tinha entrado água dentro da garagem", disse o músico Sandro Saga, 48 anos, que perdeu o Chevrolet Cruze. "Só deu tempo de descer e pegar o notebook do trabalho que estava dentro. A água já estava na canela."

Saga diz ter seguro com cobertura total, o que alivia o prejuízo. Já o designer de carros superesportivos Fernando Santos, 29, não pode dizer o mesmo. Ele havia levado a Lamborghini que faz parte de um projeto de uma produtora, avaliada em R$ 1,6 milhão e que posteriormente seria leiloada, para o prédio após uma sessão de fotos no dia anterior. O carro de luxo não tinha nenhum seguro.

"Desci para a garagem e vi que a água chegava à metade dos carros. Entrei em choque, cheguei a desmaiar", disse Santos, em entrevista à Folha. O carro foi para uma loja de reparos.

Segundo o advogado Rodrigo Karpat, dificilmente um condomínio acaba sendo responsabilizado em casos como esse. "Se o condomínio se omitiu na manutenção, ou tem ciência de que ali poderia encher, ele pode ser considerado corresponsável, pois poderia ter agido para evitar o problema. Mas, se ele não concorreu com o problema, não ficar provada a sua responsabilidade, o morador terá que arcar com o prejuízo", diz Karpat. "É importante ter um seguro bem feito, que cubra casos de enchente."

"Se não ficar provada responsabilidade do condomínio, o morador terá que arcar com o prejuízo" diz o advogado.

Conteúdo relacionado: