Curso para administradores de condomínio está com inscrições abertas

por N.com
   

A partir desta quarta-feira (1º), os administradores de condomínios comerciais e residenciais podem se inscrever no curso "Noções de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher para Condomínios”. Ele é gratuito e será ministrado pela Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) durante o mês de julho. Os interessados em participar precisam fazer a inscrição na página da Prefeitura, por meio da Escola de Governo, com a chave VDF-2020 (Clique aqui).

Divulgação

O público-alvo são os síndicos, vice-síndico e administradores de condomínios. No curso, eles poderão aprender mais sobre a nova lei que está em vigor no Paraná (Lei nº 20.145) e trata sobre o combate à violência doméstica e familiar. Por meio dela, estes profissionais e os condomínios em geral ficam obrigados a comunicar os órgãos de segurança pública quando houver violência doméstica e familiar contra mulheres, crianças, adolescentes ou idosos, sob pena de sofrerem sanções, caso não comuniquem.

As aulas serão todas gravadas e transmitidas pela internet do dia 17 a 31 de julho. Assim, todos podem assistir sem precisar sair de casa ou do local de trabalho. A Secretaria de Políticas para as Mulheres também distribuirá um material complementar e cartazes, informativos e materiais de divulgação para os síndicos e administradores interessados.

O número de vagas é ilimitado, pois visa atender a demanda que surgir. Aqueles que participarem das atividades, responderem os questionários de aula e tiverem sido inscritos receberão um certificado de 12 horas de atividade. As palestrantes serão a secretária municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), Liange Hiroe Doy Fernandes; a psicóloga da mesma pasta, Mirtes Viviani Menezes; a diretora de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, Karen Bettina Ikeda de Ortiz; e a diretora Centro de Referência e Atendimento à Mulher, Lucimar Rodrigues da Silva Alves.

Juntas, elas mostrarão o que se caracteriza como violência doméstica e familiar contra a mulher, a Lei Maria da Penha, as medidas protetivas de urgência, o ciclo de violência e os mitos relacionados ao assunto. Além disso, outro ponto relevante é a apresentação dos serviços de atendimento às pessoas que sofreram violência e a importância do estabelecimento de códigos de segurança, para evitar riscos maiores às mulheres, como o feminicídio, por exemplo.

Segundo a secretária de Políticas para as Mulheres de Londrina, a intenção é que entendam quais são as formas de violência doméstica e familiar, onde pode buscar ajuda e quais são os serviços disponíveis na rede. "Tudo isso é necessário para que eles reconheçam a violência e estejam preparados para agir diante de tal fato. Isso porque, a lei é mais um instrumento de enfrentamento à violência contra a mulher e nós precisamos de uma sociedade consciente, informada e sensibilizada”, ressaltou Fernandes.

Para a imprensa: outras informações podem ser obtidas com a secretária de Políticas para as Mulheres, Liange Fernandes, pelo 3378-0113.

Conteúdo relacionado: