Moradores recorrem a dispositivos como reforço na proteção

por Emerson Vicente/Folhapress
   

A preocupação com a segurança cresce a cada dia dentro dos condomínios. Muitos moradores têm procurado alternativas que vão além das oferecidas pela estrutura condominial. "Os condôminos têm debatido muito a questão de segurança. Já teve caso de condomínio sendo invadido por ladrões com farda da polícia", diz o síndico profissional Rafael Junqueira, 40 anos, da Fonsi Condomínios.

Pixabay

As duas soluções mais usadas por moradores são as fechaduras biométricas e as câmeras de segurança. "Uma fechadura biométrica não vai ter nenhuma violação de fachada na área comum, pois é um dispositivo de segurança. Mas é bom o morador, antes de colocar, perguntar ao síndico se existe algum padrão", diz o advogado Alexandre Berthe.

Não é um dispositivo barato, apesar de ter ficado mais acessível com o avanço tecnológico. Inicialmente, a instalação de uma fechadura biométrica não sai por menos de R$ 1.000. "Existe um crescimento contínuo da participação de produtos nacionais. A qualidade está em excelente nível e com a vantagem de ser feito para nossa realidade", diz Victor Neves, diretor da Wellcare Automação Ltda.

Com relação às câmeras de monitoramento, a situação é diferente. Um condômino não pode instalar da porta de seu apartamento para o hall. "Para fazer isso, é preciso de aprovação em assembleia. Além do mais, o morador tem que ter cuidado com as imagens, pois envolve o direito de outras pessoas", diz Berthe.

Em alguns condomínios de alto padrão, não é difícil encontrar moradores que tenham segurança particular. Segundo Berthe, eles devem ser cadastrados no condomínio como funcionários do morador. "Normalmente, essas pessoas [seguranças] andam armadas. Então, tem que ponderar com o condomínio se pode utilizar armas. E o proprietário acaba sendo o responsável."

"Já teve caso de condomínio sendo invadido por ladrões com farda da polícia" diz Rafael Junqueira, síndico profissional.