Quarto infantil: dicas de decoração para deixar o ambiente ainda mais acolhedor para as crianças

por Redação Bonde com assessoria de imprensa
   
Thiago Drummond
Neste projeto assinado pela arquiteta Carina Dal Fabbro, a proposta foi transformar o quarto em um verdadeiro jardim.

Em um ano em que o quarto infantil se tornou um grande abrigo e um espaço ainda mais frequentado pelas crianças em função da quarentena, mais do que nunca é fundamental pensar no ambiente não só como um local de descanso, como também propiciar bem-estar e condições que contribuam para a sua formação e crescimento pessoal.

Mas como podemos criar um ambiente que desperte o fascínio, criatividade, concentração para os estudos e até mesmo para brincar? Segundo a arquiteta Carina Dal Fabbro, à frente do escritório que leva seu nome, a decoração, cores e o estilo do ambiente interferem ativamente em questões como o sono e a produtividade da criançada em suas atividades.

Experiente na execução de projetos de arquitetura de interiores para o público infantil, a profissional separou dicas pautadas nos quartinhos que assinou. Confira a seguir:

Cores

Um ambiente clean, calmo e sereno atua positivamente para a produtividade e sensação de relaxamento. E no quarto dos pequenos não poderia ser diferente! Porém, crianças gostam de cores e, por isso, mesclar os tons no ambiente figura-se como um caminho interessante e que deve ser levado em consideração no momento de montar o quarto.

Para a arquiteta Carina Dal Fabbro, tudo depende de como a paleta de cores é aplicada. Embora a decoração genderless tenha aberto frente em projetos sem uma cor padrão, no quarto de meninos, o azul ainda é a cor mais solicitada devido às sensações que ele promove: segurança, tranquilidade, relaxamento e serenidade. "O uso do verde por exemplo, também é muito bem-vindo, pois é um tom da natureza e pode ser associado ao crescimento. A cor também está associada a saúde, renovação de energias e aos recomeços”, explica.

Pensando nas meninas, Carina também conta que o rosa igualmente se configura como a cor mais pedida, acompanhado por variações como o pink, além do turquesa e o amarelo. "Eu gosto muito de aplicar as cores fortes em papéis de parede e adesivos, pois são facilmente removidos e trocados quando a criança se cansar. Assim, a parede pode ser facilmente substituída por uma base mais neutra e clara”, complementa a arquiteta.

Rafael Renzo
Neste quarto compartilhado por duas irmãs, o rosa pastel protagoniza o delicado desenho do papel de parede, o enxoval das caminhas

Iluminação

A iluminação também é um ponto precisa ser planejado no momento de decorar o quarto da criança. No caso de um bebê, é muito essencial que o seu berço não esteja posicionado muito perto da janela - uma medida de segurança que ajuda a suavizar a entrada da luz natural.

Quanto às lâmpadas, LED com baixa intensidade e temperatura de cor amarelada é a combinação mais recomendada por promover uma iluminação mais agradável. Segundo a arquiteta, a utilização de abajures também é interessante, já que o item produz uma luz mais suave no período da noite. "Indico evitar o uso de lâmpadas fluorescentes. Além de gerarem mais luz, podem incomodar e distrair a criança. As incandescentes, por serem mais quentes, também devem ser deixadas de lado”, sugere Carina.

Divulgação
Neste quarto de bebê, os tons claros oferecem mais tranquilidade para o sono do bebê

Espaço

Muito provavelmente você já ouviu dizer que crianças precisam de espaço e, de fato, é isso mesmo! Por isso, é necessário pensar em um dormitório ambiente de fácil circulação e, se possível, um cantinho para que possam espalhar os brinquedos no chão.

Para quem precisa trabalhar com espaços menores, vale destacar que cores claras trazem sensação de mais amplitude. "É possível contar com móveis mais funcionais e aproveitar o espaço das paredes com prateleiras, por exemplo. É uma ótima forma de manter o corredor livre para que as crianças possam ter mais fluidez”, indica Carina.

Divulgação
Nesse projeto, a cor azul marca presença na marcenaria planejada, no enxoval e na delicadeza do papel de parede.

Decoração

Tudo é válido para tornar o cômodo personalizado e com o jeitinho da criança. Utilizar as suas cores, símbolos e brinquedos favoritos auxiliam na criação de sua personalidade e podem facilitar na identificação com o ambiente. "Sempre indico perguntar para a criança o que ela deseja e checar as possibilidades”, conta Carina.

Estimular a leitura desde cedo também deve estar entre as prioridades. Portanto, um espaço bacana para guardar os livros é uma boa pedida. Pode ser uma estante ou prateleiras que estejam ao alcance dos pequenos, deixando o conteúdo de fácil acesso.

"Este período de pandemia mostrou que lição de casa não deve ser feita na mesa da sala de jantar... uma escrivaninha no quarto é essencial”, finaliza a profissional.

Conteúdo relacionado: