Veja 5 dicas para se adaptar melhor ao isolamento social

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

O isolamento social é uma realidade no Brasil e no mundo em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Para Natália Barghazi, psicóloga e professora da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) - Campus Maringá, os seres humanos, enquanto seres sociais, têm a saúde mental afetada pelo que acontece no mundo externo.

Reprodução/Pixabay

"Com a Covid-19, vivemos um momento inédito e sem precedentes. Em razão disso, fomos colocados em um cenário de incerteza, medo e ansiedade, sentimentos comuns a muitos e totalmente compreensíveis. No entanto, também é importante criarmos estratégias de enfrentamento diante dessa situação e, considerando nossas singularidades, aceitando a necessidade de estarmos afastados do mundo externo como um convite para olharmos para dentro de nós", aponta a especialista.

Para que a adaptação ao isolamento social seja mais fácil e a saúde mental seja priorizada, Barghazi elenca cinco sugestões da psicologia que podem ser úteis. Veja:

Enxergar-se como membro de uma comunidade

Segundo a especialista, os vínculos tendem a deixar as pessoas mais fortes. "À medida em que consigo entender que as minhas ações afetam diretamente a vida das pessoas a minha volta, os possíveis desconfortos da situação podem ser minimizados. Ou seja: faço pelo outro porque o outro faz por mim, juntos enfrentaremos melhor as demandas do dia a dia", aponta.

Manter os contatos sociais

Com o avanço da tecnologia, fica mais fácil manter a interação social mesmo que não seja de forma presencial. Por isso, o conselho da especialista é explorar todas essas possibilidades. "Mantenha-se em contato com familiares e amigos, tentando experimentar novas formas de conversas como os chats em grupo. Lembre-se de abordar outros assuntos para além da Covid-19, como filmes, memórias conjuntas ou planos futuros", aconselha.

Informar-se na medida certa

A psicóloga indica que é importante se manter informado em meio à pandemia, especialmente no que se refere aos procedimentos de prevenção à doença. Entretanto, ela aconselha que, se o excesso de notícias estiver causando ansiedade, a melhor alternativa é se afastar por um tempo. "Escolha, por exemplo, um momento do dia para checar as informações. Não custa lembrar que as fake news são também maléficas à saúde mental."

Olhar para si mesmo e se manter em atividade

"O momento de menos contatos externos pode ser um convite para voltarmos os olhos para nós mesmos. Retome aquela atividade prazerosa e que há tempos pensava em fazer", afirma a especialista. Uma boa alternativa é buscar cursos, livros, filmes e museus que estão disponibilizados gratuitamente na internet. "Independentemente de estar trabalhando ou estudando em casa, tente montar uma rotina - ela nos ajuda a nos organizar, inclusive psiquicamente", aconselha.

Ser empático e solidário: consigo e com os outros

É extremamente compreensível que as pessoas se sintam tristes ou ansiosas em meio ao contexto que a humanidade está passando. Para a psicóloga, nesse momento, é importante reconhecer esses sentimentos, em si e nas pessoas próximas, e acolhê-los sem julgamentos. "Não se esqueça: ajude e peça ajuda. A situação é verdadeiramente difícil, mas reconhecer os problemas, falar sobre eles e criar estratégias para enfrentá-los é um passo fundamental. Caso sinta necessidade, não hesite em procurar um profissional da saúde mental", finaliza.

Conteúdo relacionado: