Veja 9 enganos comuns cometidos por quem quer emagrecer

por Danielle Sanches - Folhapress
   

Perder peso e conseguir um corpo mais em forma está na lista de resoluções para 2020 de muita gente. Entretanto, nem sempre os meios escolhidos para alcançar esse objetivo são os melhores.

Reprodução/Pixabay

Na verdade, é bastante comum encontrarmos pessoas que sacrificam a saúde e até o próprio processo de emagrecimento ao apostarem em medidas drásticas ou equivocadas para perder peso. Conheça algumas delas.

• Fazer dietas restritivas: esse tipo de dieta precisa ter acompanhamento médico. A falta de alimentos reduz a ingestão de nutrientes importantes para o corpo, podendo prejudicar o sistema imunológico.

• Investir na dieta da moda ou de algum famoso: a cantora Simone, da dupla com Simaria, revelou recentemente que cortou o arroz com feijão de sua dieta para emagrecer. Tudo para ganhar massa magra. E aí? Cada organismo funciona de um jeito e, por isso, uma dieta deve ser individualizada, considerando as necessidades energéticas diárias, o funcionamento do intestino e condições socioeconômicas.

• Usar shakes 'milagrosos' para substituir refeições: a estratégia pode ser bem-sucedida nos primeiros dias para evitar o consumo de açúcar e gorduras, mas, a longo prazo, o estrago pode ser grande. Esses shakes não são capazes de substituir com qualidade uma refeição completa, com alimentos frescos e preparados com pouco sal e gorduras. Além disso, as versões industrializadas podem ter ativos que aumentam as chances de alergias.

• Pular refeições: deixar de se alimentar em horários específicos é uma estratégia de algumas dietas famosas, como o jejum intermitente. No entanto, a prática precisa de acompanhamento especializado. Longos períodos de jejum durante o dia, quando mais precisamos de energia, podem provocar fadiga, dores de cabeça, enjoo e irritabilidade.

• Passar fome: a fome é um sinal do organismo de que ele precisa de energia para dar conta das atividades do dia. Deixar de ouvir esse sinal interno não é um bom negócio, pois, além de reduzir o aporte de energia (provocando uma diminuição no metabolismo), o corpo vai trabalhar ativamente para recuperar essa energia perdida.

• Comer menos para comer guloseimas: uma alimentação equilibrada e saudável deve incluir todos os grupos alimentares. Ao privilegiar alguma guloseima, você priva seu organismo dos nutrientes, prejudicando a saúde do corpo como um todo. Pode também provocar um pico na produção da insulina, o hormônio regulador do nível de açúcar no sangue, o que vai causar um aumento no armazenamento de gordura no corpo.

• Não incluir alimentos que levem prazer às refeições: isso aumenta o sofrimento no processo de emagrecimento - e as chances de fracasso também.

• Reduzir drasticamente as porções das refeições: é preciso ajuda especializada para entender o quanto podemos comer. Nas refeições menores, deve-se manter o equilíbrio e a proporção entre os nutrientes. Não adianta reduzir a porção de carboidrato e compensar aumentando a de carne.

• Criar metas irreais: ter o corpo do Cristiano Ronaldo pode ser um sonho, mas será possível? Criar metas irreais leva a frustrações, minando sua força de vontade para seguir em frente com a perda de peso. Busque o autoconhecimento, converse com um especialista e faça um plano possível de ser alcançado, aumentando sua autoestima.

Conteúdo relacionado: