Saiba em qual idade iniciar a suplementação de colágeno

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

Certamente você já ouviu falar que colágeno é bom para a pele, unhas e cabelos, mas qual é a hora de fazer uma suplementação? O colágeno é um conjunto de proteínas encontradas no tecido conjuntivo ao longo do nosso corpo, portanto é uma proteína estrutural que dá sustentação e proteção a diversos tecidos e órgãos.

Reprodução/Pixabay

A partir dos 30 anos de idade a produção de colágeno sofre uma queda e diminui ainda mais a partir dos 50, sem falar que fatores genéticos, ambientais e relacionados ao estilo de vida, como tabagismo, ingestão de álcool, hábitos alimentares, sedentarismo e estresse, aceleram e muito a diminuição.

"A pele da mulher perde, aproximadamente, 30% de seu colágeno nos primeiros cinco anos após a menopausa e, depois disso, 2% ao ano. Logo, é necessário sempre avaliação médica para repor a quantidade adequada de colágeno para diminuir os danos causados pela perda de elasticidade e firmeza da pele após a menopausa”, explica a Natalia Dijkstra, médica clínica geral do Super Dr. Saúde Integrada em Ponta Grossa (PR) e especialista em tratamento de doenças da pele e estética.

No caso da pele o mais indicado é o colágeno do tipo 1, já que cerca de 85% da nossa pele é formada por este tipo e 15% pelo 3. O colágeno hidrolisado é um suplemento tipo 1 obtido do osso e cartilagem bovina, recebe esse nome por que passa pelo processo de hidrólise, onde suas moléculas de proteínas são quebradas em partículas menores facilitando assim a absorção do organismo.

O colágeno hidrolisado pode ser utilizado em pó, que tende a ser mais concentrado, ou cápsula, mas para uma melhor absorção e resultado é preferível que seja à base de peptídeos bioativos do tipo 1 e 2 e não o hidrolisado comum. E vale lembrar que alguns alimentos contêm colágeno como a carne bovina, gelatina, frutas, legumes vermelhos, vegetais verde escuro, ovos e peixe.

O ideal antes de optar pela suplementação é conversar com um profissional da área médica, o qual irá auxiliar o paciente e avaliar se realmente é hora de iniciar a suplementação. Além disso é preciso definir o objetivo do uso, alerta a médica.

Conteúdo relacionado: