Companhia de Teatro curitibana leva seis solos ao FILO

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

A Súbita Companhia de Teatro participa da edição comemorativa do Festival Internacional de Londrina (FILO) com o Projeto Habitat, formado por seis solos. As apresentações, no Teatro Ouro Verde, dias 23 e 24 de agosto, fazem parte da programação de aniversário de 12 anos da companhia curitibana.

Divulgação

"Participar da 50.ª edição do FILO é uma alegria", diz a diretora da Súbita, Maíra Lour. "É desejo antigo e uma honra estar neste que é um dos mais importantes festivais do País, e sua longevidade só reforça a relevância. Isso se concretizar exatamente agora, no aniversário deles e no nosso, é muito bacana", completa.

Com a participação, a Súbita inicia a circulação que leva seu mais novo trabalho, o Projeto Habitat, para cidades do interior do Estado, ampliando públicos e diálogos. "Levar os trabalhos para outros lugares é bom porque traz pessoas diferentes que nos dão outro feedback. As trocas com artistas e com o pessoal das universidades também são muito importantes e tudo isso é enriquecedor, pois provoca novos olhares e reflexões para a caminhada dos seis solos", pondera a produtora Michele Menezes, sobre o projeto que estreou em fevereiro em Curitiba e será apresentado em seguida nas cidades de Ponta Grossa e Maringá.

O Projeto Habitat foi escolhido para viajar pelo interior porque representa bem o momento vivido pela companhia. "Esse agrupamento de solos é interessante porque embora cada trabalho seja uma peça única estamos todos juntos no Habitat, conversando, provocando um ao outro. Ter a chance de mostrar a versatilidade dos atores, a diversidade temática e as propostas estéticas e cênicas que estamos trabalhando, é muito gratificante", completam diretora e produtora.

As apresentações no FILO fazem parte de uma extensa programação de aniversário da companhia, que contempla ações de pesquisa, formação, intercâmbio, difusão, circulação, publicação, produção, democratização e acessibilidade. Em outubro, a Súbita promove também o "Corpos Poéticos - Encontro Internacional de Investigações Cênicas", com oficinas, masterclasses, falas públicas, lançamento de livro e mesas de conversa, com a participação de artistas do Brasil, dos EUA e da Argentina.

A programação de aniversário foi viabilizada por edital do Profice e tem apoio da Copel.

Sobre a Súbita - A Súbita Companhia nasceu em 2007 nos cursos livres da escola Pé no Palco, em Curitiba. Menos de um ano depois, o primeiro espetáculo, "Diga Onde Dói", já chegou com a marca que ficaria impressa na trajetória do grupo, o processo colaborativo guiando os passos para a criação de uma linguagem. Nos dois anos seguintes, mais dois espetáculos e a primeira indicação ao Troféu Gralha Azul, com "Coração de Congelador".

E assim seguiu a Súbita, ano após ano com novos projetos, acumulando indicações e conquistando apoios que permitiram não apenas a sobrevivência, mas, especialmente, a construção de uma trajetória relevante. A pesquisa continuada tornou-se marca da companhia. Assim como o trabalho coletivo e colaborativo. Maíra gosta de ver a Súbita como um organismo vivo, "um bicho", que vai se reconfigurando e se transmuta em várias possibilidades. "Ter um grupo é estar em movimento constante e um exercício permanente em busca da conexão e equilíbrio entre as ações externas e as transformações de desejos internos. É desafiador lidar com isso tudo", finaliza.