A história da promessa britânica que, aos 23 anos, não tem mais onde jogar

por CV Folha
   
Reprodução/Manchester City

Denzeil Boadu-Adjei era tido como uma grande revelação, mas lesões atrapalharam sua carreira

Poucos jogadores de futebol no planeta podem afirmar que tiveram uma carreira juvenil mais promissora do que Denzeil Boadu-Adjei, jovem nascido em Londres em 1997 . Considerado por muitos anos um dos jovens futebolistas mais promissores da Europa, o jovem meio-campista cresceu com o título de futura estrela na Terra da Rainha.

De ascendência ganense, o Tottenham o contratou quando ele era criança. Depois, o jovem assinou com o Arsenal nas categorias de base, antes que o Manchester City o contratasse em 2013, quando ele tinha apenas 16 anos. A carreira era promissora, despertando interesse e atenção dos maiores clubes do país.

Nessa fase, ele já estava sendo convocado para seleções de base da Inglaterra e estava começando a se tornar uma presença constante junto de nomes como Joe Gómez, Marcus Rashford, Dean Henderson, Dom Solanke, todos mundialmente reconhecidos atualmente.

Sua carreira estava começando a decolar e em Manchester eles tinham grandes esperanças em seu talento. Ele era rápido, com boa técnica, uma visão fantástica de jogo, um ótimo drible e um ótimo chute. Ele tinha tudo para ter sucesso. No entanto, tudo mudou na tarde de sábado, 1º de novembro de 2014.

Naquele dia o jovem havia feito três gols pelo Bolton, em sua enésima exibição juvenil. Mas quando ele marcou seu segundo gol, percebeu que algo estava errado com o seu pé direito. Na verdade, o metatarso - região próxima ao dedo mindinho - havia se quebrado e a opção mais recomendada era se submeter a uma cirurgia.

Mas o atacante, que aos 17 anos já havia feito sua estreia na segunda equipe do City, teve medo de fazê-lo e tomou uma decisão discutível: preferiu deixar que a doença se curasse sozinha. Atualmente, jornais, como o folhago.com.br, mostram que a medicina esportiva evoluiu muito.

O tratamento conservador não funcionou e os problemas nos pés estavam piorando. Tanto que o jogador de futebol não conseguiu nem andar por muito tempo . "Comecei a pensar que nunca mais jogaria. E, depois disso, que nunca mais poderia andar, porque fiquei oito meses sem conseguir fazer isso”, disse ele em uma entrevista na época.

Mas depois de oito intervenções - na última, eles enxertaram um osso do quadril ao pé - e vários meses dedicados à ingestão contínua de antibióticos, ele pode voltar a sonhar com futebol. Aos poucos foi recuperando a mobilidade e pode voltar ao futebol.

Em agosto de 2017, depois de muitas frustrações e recaídas na Inglaterra, Boadu-Adjei assinou contrato com o Borussia Dortmund, um gigante do futebol alemão.

Porém, sua adaptação não foi fácil. Por outro lado, lá fez a sua estreia com a equipe profissional em uma partida amistosa. Ele pouco jogou e depois de duas temporadas em Dortmund, Boadu queria voltar à Inglaterra em 2019. Ele foi para o Reading, mas também não vingou. Mais velho e sem ritmo de jogo, começou a perambular por equipes pequenas do país. Apesar da carreira meteórica, as seguidas lesões o deixaram sem um time aos 23 anos. O futebol parece tê-lo esquecido .