Hamilton começa a nova temporada da F1 com o favoritismo em alta

   
CC BY-SA 2.0

Em busca do seu heptacampeonato, Lewis Hamilton começou a temporada do mesmo jeito que terminou as últimas: no controle e dominando de ponta a ponta. O piloto inglês teve um início positivo nas três corridas iniciais e agora mira firmemente o sétimo título mundial — feito que pode lhe colocar ao lado de Michael Schumacher como os maiores campeões de todos os tempos.

Após os GPs que aconteceram na Áustria e na Hungria, Hamilton lidera o campeonato com 63 pontos, seguido logo de perto pelo companheiro de equipe, Valtteri Bottas, que está com 58 pontos.

Recuperação após um início complicado em Spielberg

A primeira corrida da temporada, disputada na Áustria (Spielberg), foi um tanto quanto conturbada por diversos motivos. Após muitos meses de inatividade, as equipes tiveram problemas para fazer o acerto correto dos carros e isso resultou em muitos problemas na pista.

Dos 20 pilotos que começaram a corrida inicial, apenas 11 conseguiram terminar o GP. Hamilton, que inicialmente havia terminado a corrida na segunda colocação, finalizou na tabela com a quarta posição após sofrer uma penalidade de cinco segundos por ter causado uma colisão.

Por conta das colisões e de outros problemas, o safety car precisou ser acionado três vezes durante a corrida. Melhor para Bottas, que conseguiu ser consistente por quase todo trajeto e conseguiu a oitava vitória de sua carreira na Fórmula 1.

No entanto, logo no fim de semana seguinte, Hamilton colocou o seu favoritismo de volta em ordem com uma vitória magistral no GP da Estíria para vencer pela 85ª vez na categoria.

Hamilton largou na pole na prova disputada no mesmo Red Bull Ring da semana anterior, após ter feito uma excelente volta na chuva e colocado uma vantagem considerável sobre Max Verstappen, o segundo colocado. Na corrida, o inglêsvenceu com tranquilidade após terminar com mais de 10 segundos de vantagem sobre Bottas.

Posteriormente na Hungria, o cenário mais uma vez se repetiu, com Hamilton vencendo a corrida após ter conquistado a pole no dia anterior — nesse GP ele obteve a pole de número 90 na carreira.

O maior rival está dentro da equipe

São só apenas três corridas por enquanto, mas já está claro que a Mercedes tem mais uma vez o melhor carro do grid. Além disso, Hamilton já abriu 30 pontos de vantagem para o terceiro colocado (Max Verstappen), enquanto Bottas tem 25 pontos de diferença para o holandês.

Portanto, parece que mais uma vez a Fórmula 1 será dominada pelo time alemã, o que deve gerar um campeonato monopolizado por Hamilton e Bottas.

"Eu não gosto de descartar os outros pilotos na corrida pelo título, mas vejo Bottas como candidato ao título assim como eu. E isso é bom para o time, pois gera mais resultados para a Mercedes”, disse Hamilton após a corrida da Hungria, em entrevista para o canal de televisão britânico BBC.

Caso a Mercedes realmente confirme o favoritismo nítido e vença o campeonato, a equipe conquistará o sétimo título de construtores consecutivo, assim se tornando o primeiro time de todos os tempos a conquistar tal feito.

À procura de feitos históricos

CC BY-SA 2.0

Os ingleses estão acostumados com uma vida de quase-vitórias no futebol e em outros esportes, mas na Fórmula 1 o assunto é completamente diferente com a dominância recente de Hamilton.

Facilmente apontado como o maior piloto de todos os tempos da Inglaterra e cheio de prêmios no currículo, o patamar de Hamilton agora é sobre o posto de maior piloto da história — conversa que normalmente é trazida em comparação com pilotos como Ayrton Senna, Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher.

Melhor piloto de sua geração, em 2020 Hamilton está à procura do recorde de vitórias na Fórmula 1. A marca atual pertence a Schumacher, que conta com 91 triunfos conquistados entre 1992 a 2006. Já o britânico da Mercedes tem 86 vitórias e parece apenas questão de tempo até ele ultrapassar esse recorde.

Outra marca que Hamilton está perseguindo é tentar ser o piloto com o maior número de vitórias liderando todas as voltas da corrida. Atualmente, Senna detém essa marca, com 19 triunfos conquistados dessa maneira — Hamilton vem logo atrás com uma a menos e provavelmente conseguirá pelo menos empatar ainda neste ano.