Desafio das Catedrais de 2020 mistura fé, espiritualidade e desafio

por Isabella Alonso Panho* - estagiária
   
Desafio das Catedrais/Divulgação
Imagem do V Desafio das Catedrais, em 2018

Espiritualidade, fé e desafio inspiram todos os anos pelo menos 120 pessoas a percorrerem a pé a distância entre as catedrais de Londrina e de Maringá (noroeste). Em 2020, a sétima edição do desafio das catedrais, marcada para começar no dia 11 de dezembro, está com inscrições abertas.

O trajeto todo tem a duração de 130km e passa por estradas rurais dos municípios da região. Contudo, quem não estiver preparado para a distância, pode fazer trajetos menores. A prova é dividida em quatro etapas, de 30km, 60km e 90km - pontos nos quais são fornecidas água, frutas e alimentos para os participantes.

O início do trajeto será às 19h. O começo noturno tem um propósito: descansados, os participantes começam a prova varando a noite. Quando o cansaço começa a bater, o sol já raiou, e dificulta que alguém seja vencido pelo sono.

O evento acontece desde o ano de 2014, quando, após um ano de reflexão e organização, o corretor Arnaldo Amaral Filho pôs em prática a ideia. Em 2013, ele voltou ao Brasil depois de passar quase um mês percorrendo os Caminhos de Santiago, na Espanha, cujas trilhas somam quase 800km. O trajeto é uma peregrinação realizada por esportistas, amadores e religiosos de todo mundo, que procuram não apenas o resgate histórico como também um reencontro espiritual.

Voltando ao Paraná, o corretor procurou alguma atividade que pudesse trazer as mesmas sensações. Foi quando decidiu fazer a pé o caminho entre as catedrais de Londrina e de Maringá. "Mesmo sendo um percurso menor, as sensações foram as mesmas. Quando eu concluí, pensei que poderia proporcionar isso às pessoas", relembra Amaral Filho.

O desafio não possui fins lucrativos e é realizado com a ajuda de uma equipe de 60 voluntários.

A finalidade da prova é preponderantemente reflexiva e educativa, promovendo o turismo e a valorização da história local. Com as edições do desafio, diversos pontos antes abandonados voltaram a ter vida. "As pessoas que te recebem, quando você conhece a história delas e do local, valorizam você também, o que proporciona o crescimento de todos", explica.

Embora a prova tenha duração de 24h, quem precisar de mais tempo para terminar os 130km não fica sozinho. Como não é uma competição, o próprio organizador ou outro voluntário fica esperando no ponto de chegada até que o último participante conclua o trajeto.

Para o seu idealizador, a palavra que define a edição deste ano é superação: "Neste ano, 160mil brasileiros morreram por causa da Covid. A gente, além de sobreviver, sente a dor de conhecer alguém que pereceu".

As inscrições podem ser realizadas até o dia 1º de dezembro através do site do evento, onde há um link que direciona os participantes para a plataforma de pagamento.

*Sob supervisão de Larissa Ayumi Sato.