Outubro rosa: pets também podem desenvolver câncer de mama

por Redação Bonde com assessoria de imprensa
   
Gustavo Araújo

Outubro, como se sabe, é o mês da campanha de conscientização e prevenção do câncer de mama: o Outubro Rosa, mas, o que poucas pessoas sabem é que esta doença acomete também os pets. Para aproveitar o apelo e sensibilizar os tutores quanto à saúde de seus animais de estimação apresentamos algumas dicas e orientações que apontam os sintomas, o tratamento e como diagnosticar o câncer mamário com a devida antecedência, potencializando as chances de cura.

De acordo com dados do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), a maior incidência da doença é em fêmeas adultas, entre 4 e 12 anos, mas cerca de 1% a 3% dos casos ocorrem também em machos. Além disso, o veterinário parceiro da farmácia DrogaVET, Bruno Roque, informa que cerca de 50% dos tumores mamários em cadelas são malignos e tendem a ter comportamento agressivo ou metastático e, em felinos, é ainda mais grave a evolução.

"Este processo tumoral é muito mais frequente nos felinos fêmeas, na qual 90% dos casos se apresentam como malignos e disseminam-se rapidamente pelos linfonodos e o pulmão do animal, culminando, em 80% dos casos, em metástase”, informa o especialista, alertando que esta doença tem uma frequência muito alta quando considerada com todos os tipos de tumores existentes em pets. Ainda segundo o veterinário, diagnosticar o câncer mamário com antecedência é a forma mais eficiente de viabilizar a cura, exatamente como ocorre em humanos.

Freepik

"Boa parte dos tumores de mama são influenciados pelo estrógeno e progesterona, liberados pelos ovários, e para não desenvolverem a doença, recomenda-se a castração nas fêmeas logo após completarem um ano de vida, idade que garante o desenvolvimento completo dos tecidos do corpo e também o efeito profilático para o câncer de mama. Vale lembrar, ainda, que a castração realizada antes dos seis meses de idade pode desencadear quadros de incontinência urinária e vir, futuramente, a reduzir o papel protetor do estrógeno para outros tipos de cânceres”, aponta Roque.

O veterinário informa ainda que a castração reduz consideravelmente as chances de uma gata ou cadela desenvolver um tumor mamário e ainda evita o desenvolvimento de piometra (infeção uterina), bem como dos cânceres de ovário e útero. "Embora mais raros, respondendo por aproximadamente de 3% a 5% dos casos de tumores, eles também colocam a vida dos pets em risco”, complementa o especialista.

Outra dica importante do profissional é que assim como há o auto-exame realizado pelas mulheres, as mamas do animal também devem examinadas. "A dica é aproveitar o momento de interação e carinho na barriga do pet para palpar as mamas e verificar se não há nenhum nódulo. Nos gatos, que geralmente não apreciam o toque na barriga, pode ser um pouco mais difícil, mas o ideal é tentar acostumar o bichano com a palpação. E, ao identificar um volume diferente do habitual, levar o animal imediatamente ao veterinário, principalmente se esses ‘caroços’ aumentarem rapidamente”, alerta Roque.

Nesse sentido, o tutor deve ficar atento, pois o pet pode apresentar inchaços, feridas, dor e até secreção com odor desagradável. "Em casa, os tutores precisam ficar atentos em relação a esses sinais e sempre realizar check-ups periódicos, pelo menos a cada seis meses, com o médico veterinário, realizando exames de sangue e de imagem para auxiliar na detecção precoce de eventuais tumores”, orienta o especialista.

O tratamento do câncer de mamas em pets

Diagnosticada a doença, o médico veterinário solicitará exames para identificar o tamanho do tumor para pesquisa da metástase. "O tratamento para o câncer de mama é a cirurgia, preferencialmente com retirada total de toda a cadeia da mama. Desta forma é possível prevenir o desenvolvimento de novos tumores nas demais mamas e, caso existam tumores nas duas cadeias, o indicado é realizar a mastectomia em dois estágios”, explica o veterinário, complementando que a quimioterapia é indicada apenas quando for detectado um tumor mais agressivo, com indício de metástase e comprometimento dos linfonodos

Atualmente, as pesquisas em relação ao câncer de mama de maneira geral buscam encontrar vias alternativas moleculares que o tumor utiliza para fazer metástase. "O tratamento dessa doença está partindo para uma análise molecular e genética, ou seja, ao entender o tumor geneticamente, é possível vislumbrar tratamentos individualizados, fazendo com que cada paciente obtenha uma resposta melhor do que aquela observada com protocolos de quimioterapia convencionais. É nesse rumo que a oncologia de precisão caminha e, claro, a veterinária segue os mesmos passos, visando tratar cadelas e gatas da mesma maneira, buscando entender quais são essas alterações moleculares e criando estratégias de terapias mais eficazes”, finaliza Roque.

Conteúdo relacionado: