'Sofri por ter que me afastar deles', afirma Claudia Ohana; ONG diz que não devolverá cães à atriz

por Lívia Marra - Folhapress
   

"Não acho que agi corretamente, mas não tinha, e até agora não tenho, outra solução. Sinto falta dos meus cachorros e sei que eles também sentem de mim", escreveu Claudia Ohana em rede social ao explicar, nesta terça (21), por que devolveu Thor e Tigrão ao Projeto Toca do Bicho. Em seguida, a ONG afirmou que quer encerrar o assunto e ressaltou que os pets não voltarão para a atriz.

O caso veio à tona após os protetores publicarem fotos dos animais e afirmarem que eles estavam deprimidos e precisavam de uma nova família, na sexta (17). Pouco depois surgiu a informação de que a tutora era a atriz, e a polêmica cresceu no fim de semana.

Adotados aos dois meses, os peludos cresceram rápido e foram devolvidos cinco meses depois.

Ainda no fim de semana, a atriz disse que deixou os cães na ONG porque, em meio à pandemia, não tinha condições de cuidar deles sozinha e sofria com crises de coluna, mas que o afastamento seria temporário. O projeto rebateu as declarações com fotos de sofás destruídos e áudios que mostram a intenção de devolver os pets.

Ao publicar seu esclarecimento, Claudia reafirmou sua versão e disse que o problema de saúde comprometeu sua mobilidade. Afirma que chegou a cogitar a devolução, mas mudou de ideia e pensou em levar os cães por um tempo ao sítio de um amigo, mas o termo de adoção assinado com a ONG não permitia.

Ainda segundo ela, em uma conversa com o grupo ficou acertado que os cachorros voltariam ao abrigo durante a pandemia. "Opção que aceitei na hora por acreditar que, certamente, lá seriam bem tratados e, inclusive, mais felizes até o momento de retomarem para minha casa", escreveu.

A atriz diz que não entrou em contato com a ONG após a entrega dos animais por estar envolvida com problemas de saúde. Ela refuta que o motivo da separação tenham sido os móveis estragados.

"Eu tenho 1,60 m de altura e peso 47 kg. Obviamente, eu passei a encontrar sérias dificuldades de ordem motora para cuidar dos meus doguinhos que cresceram rapidamente e ainda não tinham passado por nenhum processo de adestramento. Confesso que não vi abandono nisso, apenas achei que era a única coisa possível de se fazer em uma situação como a minha."

"Sei que, talvez, vocês não entendam minha atitude de ter pedido para eles acolherem meus cachorros durante a pandemia, mas só eu sei o quanto eu me esforcei para dar conta de tudo e o quanto sofri por ter que me afastar deles", afirma.

A atriz chegou a dizer que a ONG estava fazendo publicidade em cima do caso, mas o grupo se defendeu. "Fazemos um trabalho sério na ONG, tanto que não citamos nome do tutor que os devolveu nas postagens. Só que todo animal que é devolvido a gente posta para que tenha nova chance de adoção."

Na madrugada desta quarta (22), após o pronunciamento de Claudia Ohana, a ONG publicou em rede social que o assunto será encerrado, mas que Thor e Tigrão não voltarão para a casa da atriz, "que provou pelas inconsistências e negligências que não tem condições de adotar um animal sequer".

"As inverdades continuam e as justificativas injustificáveis também. Então, o melhor a ser feito é seguir nosso caminho, pois temos muito a continuar fazendo pelos animais", diz o texto.

A ativista Luisa Mell lembrou em seu perfil que não são poucos os casos de animais devolvidos após adoção. Segundo ela, só neste ano, 50 animais foram devolvidos para o Instituto Luisa Mell.

Ela relata o sofrimento dos peludos. "Alguns choram dia e noite sem parar. Alguns adoecem de tanta tristeza."

Conteúdo relacionado: