Doença do Beijo: risco de infecção cresce no Carnaval

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

É fevereiro, é Carnaval, é festa! O período mais animado do ano pode ser o cenário perfeito para a mononucleose. Isso porque o vírus VEB (Epstein-Barr), da mesma família do herpes, é transmitido, principalmente, pela saliva e por objetos compartilhados, como copos e canudos. Devido ao modo de contágio, a enfermidade ficou popularmente conhecida como a doença do beijo.

iStock

De acordo com Flávia Cunha Gomide, infectologista da Doctoralia, a doença apresenta sintomas que perduram de duas a quatro semanas. "Os principais sinais são febre, gânglios inchados no pescoço, virilhas e axilas, cansaço, dores no corpo, dor e inflamação na garganta e erupção cutânea”, revela.

Por ter sintomas parecidos com os de outras infecções (como amidalite bacteriana e até HIV em fase muito inicial), ao notar os sinais, é importante procurar um médico para o diagnóstico correto.

"Não há um tratamento específico para a doença do beijo. Geralmente, são indicados repouso e medicamentos que amenizem os sintomas”, conta Flávia.

Confira abaixo as dicas de prevenção da infectologista para esse Carnaval:

• Tenha hábitos saudáveis. Exercícios, boa alimentação e horas adequadas de sono aumentam sua resistência para se defender contra infecções;

• Cubra a boca com a parte interna do braço quando for tossir ou espirrar;

• Não compartilhe alimentos, pratos, copos e outros utensílios;

• Higienize as mãos com álcool gel;

• Mantenha a sua vacinação em dia.

Conteúdo relacionado: