Saiba quais cuidados ter com a saúde física e cognitiva do idoso

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

A população de idosos vem crescendo em todo o mundo. Só no Brasil, o número de pessoas acima de 60 anos é de 26 milhões, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De acordo com o mesmo ranking, em 2027 essa quantidade deve subir para 37,9 milhões.

Reprodução/Pixabay

É importante ressaltar que, além de viver mais, uma longevidade saudável deve ser buscada, prezando pela qualidade de vida do idoso. Para falar do tema, nesta terça-feira (1º), comemora-se o Dia Mundial do Idoso, com a proposta de trazer à tona questões ligadas à saúde, ao convívio familiar e ao abandono.

"A longevidade saudável e com qualidade de vida apresenta um conceito mais amplo do que apenas a ausência de doenças. A condição é, principalmente, relacionada à prática do bem-estar físico, psíquico, social e espiritual”, explica Luciana Alcoforado, coordenadora e professora da pós-graduação em gerontologia da Faculdade IDE.

A atenção ao bem-estar dessas pessoas é também uma responsabilidade do poder público. "A importância de cuidar da saúde dos idosos é cada vez mais de domínio público, visto que há maior necessidade de políticas públicas que garantam os direitos dos idosos, acesso a serviços de saúde e remédios, bem como, investimento em programas de prevenção e tratamento relacionada a questões do envelhecimento, possibilitando, assim, um maior cuidado com a saúde dessa população, diminuindo ônus social”, aponta a especialista.

Atividades para o corpo e para a mente - Muitas pessoas que já atingiram os seus 60 anos procuram fazer alguma atividade física, mas é preciso procurar acompanhamento profissional e respeitar o seu histórico de vida e limitações.

"Atividades físicas para ser ou não recomendada deve ser supervisionada e realizada adequadamente respeitando as restrições e individualidade de cada um”, adverte a especialista, que fala ainda sobre os cuidados que se deve ter com atividades ditas recomendadas para idosos. "A questão da recomendação é algo relativo porque pode ser um idoso atleta ou aquele que praticou exercícios regularmente a vida toda, aquele sedentário ou aquele que apresente alguma restrição ou limitação”, conta a professora.

Não somente o corpo precisa de atenção nessa fase da vida: o cérebro também precisa ser estimulado e, para isso, atividades que ajudem a cognição deles são muito bem-vindas. "Atividades que envolvam as funções cognitivas (memória, atenção, linguagem e raciocínio) estimulam a neuroplasticidade, o que retarda o aparecimento de disfunções”, cita a coordenadora.

A importância do convívio social - A convivência com a família é fundamental na vida dos idosos e essa relação só traz benefícios para quem já atingiu a terceira idade. "A família é uma rede social de primordial importância para um envelhecimento saudável, visto que na, maioria das vezes, tem efeitos protetores na prevenção de situações de estresse associados ao processo de envelhecimento. Alguns estudos apontam que a estrutura familiar é fator determinante do envelhecimento saudável”, expõe a especialista.

O isolamento social deve ser observado e combatido pela família, pois ele contribui para o agravamento de problemas psíquicos. Por isso, é muito importante essa interação com os familiares, amigos e pessoas de sua convivência. "Alguns estudos mostram que idosos com menor suporte social são mais susceptíveis a sintomatologia depressiva, fragilidade e diminuição da cognição”, aponta Luciana.

Para envelhecer bem - Para chegar na terceira idade com saúde e co menores riscos de ter doenças crônicas, é preciso ter uma atenção especial com a saúde ainda quando jovem, pois são as consequências do que fazemos na mocidade que muitas vezes acarretam problemas de saúde quando idosos. "É importante procurar ter, ainda na juventude, uma rotina saudável que envolve boa alimentação, prática de exercício regular e praticar o bem-estar”, finaliza a professora.

Conteúdo relacionado: