Em entrega de UBS, prefeito descarta isolamento social mais duro em Londrina

por Micaela Orikasa - Gripo Folha
   

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, afirmou nesta sexta-feira (7) que não deve aumentar o rigor das medidas de isolamento social no município. O posicionamento é uma resposta ao entendimento do Coesp (Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública de Londrina), que sugeriu nesta quinta (6) medidas mais rígidas contra a Covid-19, caso os indicadores técnicos analisados pelo órgão se mantenham nos próximos dias.

"Todos estão seguindo seus trabalhos com medidas restritivas e vai continuar dessa maneira. Vamos continuar avaliando os indicadores, mas estamos em um momento de controle adequado em Londrina. Não tem nada em relação a novos fechamentos”, afirmou Belinati.

A FOLHA noticiou a recomendação do Coesp a respeito do funcionamento de praças de alimentação em shoppings e galerias comerciais, assim como academias e templos religiosos. O grupo formado por especialistas classificou o município no alerta de "bandeira vermelha”, já que os índices de isolamento social estariam inferiores a 37% na cidade.

Durante a solenidade de entrega da nova UBS, Belinati repetiu, por várias vezes, que não existe indicador técnico que aponte a necessidade de medidas mais restritivas em Londrina e citou a necessidade de avaliar se os dados apresentados são sustentáveis ou não.

O prefeito defendeu que os indicadores devem ter uma ótica macro, considerando os critérios utilizados para medidas mais restritivas em todo o mundo. De acordo com ele, são quatro fatores principais: a falta de EPI (Equipamentos de Proteção Individual), falta de profissionais de saúde, falta de medicamentos e, principalmente, a falta de leitos - Belinati garante que Londrina está bem suprida nos quatro quesitos.

LEIA MAIS: Adoção de 'bandeiras' é parâmetro subjetivo para avaliar isolamento social, afirma secretário de Saúde

Conteúdo relacionado: