Associação avalia seis marcas de água de coco no mercado

por Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
   

A bebida refrescante, que é popular apenas nas cidades litorâneas, a água de coco conquistou os centros urbanos depois que passou a ser comercializada em caixinhas. O produto é pouco calórico e possui diversos nutrientes - vitaminas, minerais, aminoácidos, antioxidantes - que tornam a água de coco um agente de muitos benefícios ao organismo. No entanto é importante enfatizar que hipertensos e diabéticos não devem consumir a bebida em excesso, já que ela possui naturalmente em sua composição sódio e açúcar.

No Brasil, o consumo de água de coco chega a alcançar 64 milhões de litros por ano, ultrapassando o volume de bebidas energéticas vendidas no país. Por isso, a PROTESTE, Associação de Consumidores, avaliou seis marcas de água de coco vendidas em território nacional. Foram avaliadas as marcas: Do Bem, KeroCoco, Obrigado, Coco do Vale, Sococo e Ducoco. Foram diversos quesitos: rotulagem, acidez, presença de açúcar e micro-organismos e análise sensorial.

O teste identificou que algumas afirmações presentes no rótulo, como "100% coco praiano", "sem conservadores" e "sem adição de açúcar", podem induzir o consumidor a uma interpretação errada. É o caso da Sococo, vendida como um produto natural, mas que traz entre os seus ingredientes sacarose e metabissulfito de sódio, substância que pode inclusive desencadear crises de asma em pessoas que já sofrem da doença.

Já a marca Ducoco traz a mensagem "0% gordura e colesterol", fazendo marketing para uma característica que toda água de coco possui naturalmente. Em contrapartida, como exemplo positivo nesse quesito, podemos citar a marca Obrigado que cumpre as alegações "sem adição de açúcar" e "sem adição de conservadores" à risca.

Em relação ao modo de conservação, as marcas Obrigado e Do Bem deixaram a desejar, já que não só omitem orientações sobre o armazenamento do produto como também não alertam sobre o perigo à saúde quando essas indicações não são seguidas, como prevê a lei.

O teste constatou, ainda, que das seis marcas testadas, quatro (Coco do Vale, DuCoco, KeroCoco e Obrigada) não apresentam a data de fabricação na embalagem. Por lei a informação não é obrigatória, mas permite que o consumidor opte por bebidas que tenham sido produzidas a menos tempo.

Já na análise da veracidade das informações, algumas marcas apresentaram uma variação na rotulagem superior aos 20% permitidos. A Coco do Valle e DuCoco mostraram diferenças de mais de 30% para sódio e potássio. E a Sococo chega a ter 64% a menos de sódio do que o informado na rotulagem.

Nos últimos testes, realizados pela Associação, foi constatado um problema recorrente no setor alimentício: a falta de veracidade nas informações dos rótulos. Esse tipo de conduta configura oferta enganosa e de acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a oferta e apresentação de produtos deve assegurar informações corretas sobre suas características, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde dos consumidores.

Visando o fim dessa prática, a PROTESTE enviou os resultados do teste a Anvisa, pedindo fiscalização e ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, pedindo que sejam determinadas as adequações das embalagens.