Malária: conheça os sintomas e tratamento da doença contraída por Camila Pitanga

por Caroline Knup e Giulia Vibosi - Estagiárias*
   
Freepik

Nesta semana a atriz Camila Pitanga revelou em suas redes sociais que ela e sua filha, de 12 anos, foram diagnosticadas com malária. "Foram 10 dias de muito sufoco. Entre picos de febre alta, calafrios e total incerteza", contou em seu Instagram. A transmissão dessa doença acontece através de uma simples picada de um mosquito e qualquer pessoa pode ser a escolhida. Entenda mais sobre os sintomas da malária e o seu tratamento.

De acordo com o Ministério da Saúde, somente em 2018 foram registrados 194.271 casos de malária no Brasil, a grande maioria na região amazônica. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o paciente com a doença não é capaz de transmitir diretamente a outra pessoa, sendo preciso a atuação de um vetor. Segundo o médico infectologista e mestre em saúde coletiva do curso de Medicina da PUC-Londrina Wilson Liuti Costa Junior, a malária é uma infecção causada por um protozoário chamado plasmódio que é transmitida pelo mosquito anófeles.

Logo após contrair, a doença já começa a se alastrar pelo corpo. "Após a picada do mosquito a protozoário infecta células do fígado e do sangue levando aos sintomas de febre, fraqueza, calafrios e cefaleia em padrões cíclicos", explica o médico. Muito parecido com os sintomas que a Camila teve. A atriz contou em suas redes sociais que pelo fato de estar se isolando do novo coronavírus em uma zona de Mata Atlântica no litoral paulista, sua amiga suspeitou que seus picos de febre poderiam ser em decorrência da malária.

A doença, se não for identificada no início, pode evoluir para uma situação mais grave, desde convulsões e até ficar em coma. De acordo com infectologista, o diagnóstico normalmente é feito pela observação do plasmódio no microscópio em uma gota de sangue, exame conhecido como gota espessa. "O tratamento varia de acordo com a espécie de plasmódio que causou a infecção. As medicações mais utilizadas são a cloroquina, primaquina, mefloquina, artesunato e quinino", ensina.

A boa notícia é que a malária tem cura. Camila atualizou seu Instagram agradecendo pelas mensagens de afeto e tranquilizando seus fãs. "Bom dia! Obrigada pelo carinho gente. Estou me recuperando muito bem", afirma em um vídeo publicado. A atriz está sendo tratada nos Hospital das Clinicas da Universidade de São Paulo e elogia o atendimento que recebeu "uma vez que a suspeita era malária, doença muito rara, não há melhor lugar para você ser tratado do que a rede SUS, local de referência e excelência para doenças endêmicas".

*Sob supervisão de Fernanda Circhia

Conteúdo relacionado: