Entrevero

   

Olá, pessoal!

Tudo bem?

Aqui está mais uma receita que faz justiça a esse clima de temperaturas mais amenas!

Além de ser mais um prato com pinhão (seguindo a carne com pinhão), esta é uma receita cheia de história e memórias!

A origem do prato, segundo reza a lenda, está na serra catarinense; e lá acabou ganhando o nome tirado do idioma espanhol, entrevero, uma referência à confusão de carnes e outros ingredientes.

Até por isso, há um sem número de receitas de entrevero, que variam consideravelmente os ingredientes e quantidades. Você pode adicionar, por exemplo, outros tipos de carnes. Também pode substituir a mandioca por mais pinhão, ou, segundo alguns, fazer o contrário. Pode adicionar outros vegetais (há quem goste de juntar abobrinha, pimentão verde, brócolis etc.) e também pode esquecer de outros (nós esquecemos da cenoura nesse dia aí, por exemplo), e o prato vai continuar aquela confusão gostosa!

A receita é preparada, em geral, em tachos ou em panelas de ferro, mas você também pode improvisar neste ponto, é claro.

Um outro fato que faz esse prato ser especial é o seguinte: a primeira vez que ouvi falar do entrevero, foi porque o Homero estava preparando a receita no Festival de Folclore de Olímpia. E aí está uma série de ingredientes que me são muito caros.

O Festival de Folclore de Olímpia sempre foi uma festa muito especial para mim.

E o Homero, além de ser pai de dois grandes amigos meus, o Caio e a Iris, também acabou virando meu amigo do peito, com o tempo. Tenho muitas boas lembranças das várias vezes em que o Homero (que é especialista naqueles pratos que demoram uma era para ficarem prontos enquanto a gente vai tomando umas, ouvindo música da melhor qualidade e consertando os problemas do mundo) cozinhou pra gente.

A cozinha é bacana por isso também! Nela celebramos as amizades, a vida, e as boas memórias que temos!

É isso aí, vamos à receita!

Ingredientes:

100g de bacon em cubinhos

100g de linguicinha defumada em rodelas

100g de carne (alcatra ou patinho) em cubos ou tirinhas

100g de frango em cubos ou tirinhas

100g de coração de frango ao meio (opcional)

100g de porco em cubos ou tirinhas

1 cenoura em rodelas

1/2 pimentão vermelho em tirinhas

250g de tomate sem semente em cubos

1 cebola em pétalas

250g de pinhão cozido picado

250g de mandioca cozida picada

4 colheres de shoyu

sal

Modo de Fazer:

Coloque o bacon para refogar, em uma panela de ferro ou em um tacho, e vá mexendo.

Quando o bacon tiver "suado" (ou seja, quando a sua gordura tiver derretido; já que é nessa gordura que os demais ingredientes serão refogados), junte todas as outras carnes. Vá mexendo sempre, para garantir que os pedações ficarão refogados por igual.

Quando todas as carnes estiverem bem refogadas, junte todos os demais ingredientes (não se esqueça do shoyu e do tempero) e abaixe o fogo. Deixe cozinhar por mais 15 minutos, mexendo sempre para não deixar grudar no fundo e para que tudo vá cozinhando por igual.

Tá pronto!

E fica realmente muito bom!

E tem, mesmo, tudo a ver com o espírito aqui do blog, porque é uma receita propícia para ser acompanhada de um bom vinho e de um bom papo!

Vale repisar que você pode fazer as variações que entender pertinentes, incluindo e excluindo ingredientes conforme a sua própria preferência.

Uma outra possibilidade é cozinhar a mandioca bem menos do que fizemos (você pode deixá-la na pressão por uns 10 minutos, apenas), para que ela se apresente em cubos mais inteiros no final.

A Dani e eu preferimos cozinhar a mandioca junto com o pinhão (e lá se foram 30 minutos na pressão, com água e uma pitada de sal, portanto), para que, ao final, ela desse uma textura de creme consistente ao prato (o que também fica excelente, podem acreditar).

É isso aí!

Como sempre, estão todos convidados a participar, com críticas e sugestões, e também enviando resenhas e receitas!

Também ficam todos convidados a visitar e curtir nossa fanpage para ficar sempre a par das novidades, e de outras notícias, eventos e promoções que compartilhamos apenas por lá.

Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"