Vinho Finca La Daniela Malbec Cosecha 2013

   

Olá, pessoal!

Tudo bem?

O post de hoje é mais uma resenha despretensiosa sobre um vinho que provamos tempos atrás, o Finca La Daniela Malbec Cosecha 2013.

Esse vinho é produzido, em Guaymallén, Mendoza, na Argentina, pela Bodega Barberis, uma vinícola em atividade naquela região privilegiada.

A história da família Barberis é interessante. Em 1895, emigram do Piemonte, na Itália, para a Argentina, onde se dedicam, em 1910, a uma produção artesanal de vinho, que é interrompida com a morte repentina do patriarca. Foi apenas em 1965 que Don Humberto Barberis, seguindo os passos do avô, começa a plantar uvas, que fornece inicialmente a outras vinícolas. Em 1985, a família compra a sua primeira vinícola, e começa a produzir seus próprios vinhos, de forma industrial. A empresa ainda é familiar, e desde 2007 encontra-se produzindo seus vinhos na região de El Sauce, Guaymallén, em Mendoza.

A Bodega Barberis trabalha com uma boa diversidade de rótulos (Cava Negra, Finca La Daniela, Blasón del Valle, Familia Barberis, Finca La Daniela Reserva e Humberto Barberis), com uma variedade interessante de uvas (dentre as quais, a própria Malbec, que ganha destaques nos rótulos especiais, mas também a Cabernet Sauvignon, a Tempranillo, a Chardonnay, a Torrontés, a Merlot e a Sauvignon Blanc).

Vale lembrar que a uva Malbec (do vinho de hoje) é originária da França - onde é tida como uma das cinco genuínas uvas Bordeaux. Na Argentina, a Malbec acabou se tornando uva símbolo, e é a partir dessa uva que são fabricados os vinhos argentinos de maior expressão no mundo todo. É notável, contudo, que os Malbec argentinos são bem distintos de seus pares franceses (ambos deliciosos, diga-se de passagem). A questão é que, na maior parte das vezes, os Malbec argentinos são mais encorpados que os franceses - o que faz serem indicados, em geral, para acompanhar pratos a base de carne vermelha, carregados no tempero.

Vamos ao vinho de hoje!

A própria vinícola afirma que o Finca La Daniela Malbec, que não passa por estágio de envelhecimento em barris de carvalho, tem como destaques o aroma de frutas vermelhos maduros e ameixas, e que no paladar apresenta-se equilibrado e prolongado.

Quando eu mesmo (um amador) provei o vinho, encontrei no aroma mais as ameixas e outras frutas negras (framboesa e amora), do que os frutas vermelhas propriamente ditos. O vinho também me pareceu ter um toque terroso interessantíssimo no aroma (aquele cheiro inconfundível e delicioso de chuva). Apresenta taninos redondos e tem, ao que me parece, excelente persistência. A acidez é presente (como é característico dos vinhos elaborados a partir de uvas Malbec), mas controlada. Em síntese, é um vinho delicioso.

É indicado para harmonizar com pratos a base de carne vermelha, queijos maduros e comidas picantes, em geral.

É isso aí, pessoal!

Como sempre, estão todos convidados a participar.

Para ver outras receitas e resenhas, dê uma olhada no nosso índice, e também curta nossa fanpage para ficar sempre a par das novidades que trazemos para cá, e de outras notícias que compartilhamos apenas por lá mesmo.

Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"